EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A arte de Lara para enfrentar a pandemia

Lara Martins
Lara Martins Direitos de autor Renato Guerra
Direitos de autor Renato Guerra
De  Joao Duarte FerreiraRenato Guerra
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Lara Martins destacou-se no musical “O Fantasma da Ópera”, em Londres. O confinamento obrigou-a a procurar alternativas.

PUBLICIDADE

Há já mais de um ano que as salas de espetáculo se encontram encerradas por toda a Europa. A paragem forçada e o afastamento dos artistas dos palcos criaram uma situação de desafio sem precedente. Lara Martins é o retrato de uma classe que procura adaptar-se às novas realidades do trabalho à distância.

Residente em Londres há mais de uma década, entre 2012 e 2018 a cantora portuguesa desempenhou um dos papéis de destaque do musical “O Fantasma da Ópera”. Habituada ao contacto regular com o público, o confinamento obrigou-a a procurar alternativas. A história de Lara está longe de ser inédita. Privados do contacto social, muitos artistas viram-se privados de rendimentos.

“Os artistas e todas as pessoas que trabalham na Cultura ficaram impedidos de fazer o seu trabalho de uma forma normal. Tivemos que nos reinventar mas obviamente que tudo o que possamos fazer não substitui o teatro ao vivo, nem artisticamente, nem financeiramente”, afirma Lara Martins.

Muitos contudo recusam-se a baixar os braços e tentam encontrar soluções. O ensino à distância tornou-se para muitos profissionais do espetáculo uma forma de subsistência durante os períodos de confinamento.

“Para mim foi um ano de descobertas, de novas formas de trabalhar, foi desafiante”, diz a cantora.

Tivemos que nos reinventar, mas obviamente que tudo o que possamos fazer não substitui o teatro ao vivo, nem artisticamente, nem financeiramente.
Lara Martins
Cantora

Ainda assim, para além das aulas à distância, Lara Martins encontrou espaço para contracenar com o encenador Jorge Balça num espectáculo dedicado a António Variações. A ideia partiu do encenador residente em Londres e o que inicialmente seria um evento ao vivo passou para a internet, como explica Jorge Balça.

“Conseguimos reformulá-lo, repensá-lo, mantendo sempre o cerne do trabalho mesmo mas conseguimos repensá-lo e fomos gravar ao Porto, no Conservatório de Música do Porto, num auditório fechado que é uma boa metáfora para os tempos que passamos”, adianta.

O tempo de paragem forçada também abriu espaço à concretização de projetos pessoais há muito adiados. No caso de Lara Martins, tratou-se da gravação e lançamento de um álbum, “Canção”, algo que colocou novos desafios.

“Eu tive que aprender a fazer estas coisas todas, gravar-me a mim própria, utilizar imensos meios técnicos que eu não sou particularmente dotada. Isso são coisas que eu nunca faria, e não fazia mínima ideia de como fazer. Com esta pandemia aprendi a fazer isso tudo”, acrescenta a cantora.

As redes sociais foram outro recurso tecnológico que serviu para manter o contacto regular entre os artistas e os seus vários públicos. Mesmo assim, Lara Martins já começa a ver a luz ao fundo do túnel. Porque mesmo com toda a tecnologia disponível, “não há nada que substitua o teatro e a música ao vivo”, conclui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Artistas em ascensão mostram talento na maior feira de beleza do Reino Unido

Da dança com espadas ao teatro moderno, as artes performativas no Catar são um espetáculo

Setor da aviação prevê ano histórico em 2024