Última hora
This content is not available in your region

Parlamento Europeu congela acordo comercial com a China

euronews_icons_loading
Parlamento Europeu congela acordo comercial com a China
Direitos de autor  ANDY WONG/AP
Tamanho do texto Aa Aa

O parlamento europeu votou esmagadoramente esta quinta-feira a favor de uma resolução com vista a congelar de forma permanente o Acordo Comercial e de Investimento UE - China.

A decisão tem lugar depois da China ter retaliado com sanções contra cinco eurodeputados depois da UE ter sancionado 4 indivíduos chineses ligados aos campos de trabalho forçado da minoria Uigur chinesa.

"Essencialmente, esta resolução diz que o Acordo foi congelado e colocado bem fundo na arca frigorífica. Nós exigimos que a China levante as sanções antes que o parlamento europeu possa vir a considerar lidar com esta questão", afirma um dos responsáveis por esta resolução, o eurodeputado alemão Reinhard Bütikofer dos Verdes.

Os eurodeputados apelam ao apoio da Comissão Europeia e dos estados-membros.

"Eu espero que o conselho faça referência às sanções nas conclusões do encontro depois de debaterem as políticas em relação à China. Penso que deve haver um claro sinal de solidariedade do conselho ao parlamento europeu, porque não se trata apenas de uma luta do parlamento. Isto é uma luta europeia", remata o eurodeputado.

Apesar do Acordo comercial e de investimento com a China não estar terminado, a resolução aprovada no parlamento envia um sinal claro sobre as suas intenções.

O analista Fabien Zuleeg afirma que os estados-membros já estão a reconsiderar as relações com a China.

"Não são necessariamente as ações do parlamento mas claramente as sanções e contra-sanções, a situação geral a nível internacional, tudo está a levar os estados-membros a considerarem as relações com a China e como isso se vai desenvolver no futuro", adianta Fabien Zuleeg, presidente do Centro Europeu de Política

Ninguém pode adivinhar como a China vai responder às acusações do parlamento europeu mas tudo aponta para que as relações entre a UE e a China venham a atravessar momentos difíceis nos próximos meses e anos.