Última hora
This content is not available in your region

A situação dramática dos deslocados em Moçambique

euronews_icons_loading
Moçambique
Moçambique   -   Direitos de autor  Tsvangirayi Mukwazhi/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Os campos de deslocados na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, acolhem milhares de pessoas. Estão sobrelotados e em risco de uma catástrofe de saúde pública. O “25 de Junho” no distrito de Metuge é o maior campo de deslocados da região. Ali vivem cerca de trinta mil moçambicanos.

Os meses passam e a situação é cada mais insustentável. Alberto Almeida, sobrevivente de um dos ataques na aldeia de Bilibiza, conta que ficou muito assustado e que as irmãs e os sobrinhos foram capturados e ainda estão na floresta. Sifa Leonardo também conseguiu escapar ao mesmo ataque. Diz que no campo “não há nada e que as pessoas apenas sobrevivem”. Sifa pede mais ajuda e garante que as pessoas vão ficar sem comida se “continuarem a receber apenas um saco de arroz, que vendem para conseguir dinheiro”.

OMS Pede Ajuda Urgente

A Organização Mundial de Saúde lembra que os ataques de grupos armados "aprofundaram a crise humanitária" em Moçambique e deixa um alerta: mais de 1 milhão de pessoas precisam "urgentemente" de ajuda médica em Cabo Delgado.

Esta sexta-feira, a diretora regional para África da OMS disse que "a situação de milhares de famílias está a piorar e que muitas das pessoas afetadas pela violência dependem da ajuda humanitária para sobreviver”. Para Matshidiso Moeti, “é preciso intensificar rapidamente a assistência para salvar vidas e aliviar o sofrimento".

De acordo com a organização, a violência e a insegurança danificaram ou forçaram ao encerramento de quase um terço das 132 instalações de saúde da província. A medida "privou as comunidades de serviços básicos de saúde e criou necessidades sanitárias de emergência" para o tratamento do HIV, malária e tuberculose, bem como vacinação entre as pessoas deslocadas internamente e as comunidades de acolhimento.

A prevenção da cólera, a resposta à covid-19 e a prestação de serviços de saúde mental e psicossocial são também "extremamente necessárias", segundo a OMS, que apelou para um maior apoio dos doadores que permita "fornecer estes serviços de saúde essenciais".