Última hora
This content is not available in your region

Biden e Putin numa cimeira "cordial"

De  Euronews
euronews_icons_loading
Biden e Putin numa cimeira "cordial"
Direitos de autor  Patrick Semansky/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Uma cimeira muito aguardada e o regresso de Joe Biden aos Estados Unidos com o que alguns analistas dizem ser um punhado de resultados concretos na reunião com o Presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Entre os assuntos que pouco avançaram em Genebra: Ucrânia e direitos humanos, em particular o destino do líder da oposição, Alexei Navalny.

Em conferência de imprensa separada, Biden referiu que alcançou o que pretendia. "Foi importante encontrar-me pessoalmente para que não haja dúvidas ou más interpretações sobre o que eu pretendo comunicar. Fiz o que pretendia ao vir aqui", sublinhou Biden. O presidente norte-americano foi mais longe e disse ter "tornado claro que "não vou tolerar tentativas de violar a nossa soberania democrática ou destabilizar as nossas eleições democráticas e que iremos responder. No fundo, disse ao Presidente Putin que temos que ter as mesmas regras básicas, as quais devemos respeitar".

Putin garantiu ter sido uma reunião produtiva. "Avaliação global... Penso que não houve animosidade. Pelo contrário, o nosso encontro aconteceu, e principalmente comunicámos as nossas diferenças em muitas áreas, mas do meu ponto de vista, ambos os lados mostraram vontade de se compreenderem mutuamente e de encontrarem formas de aproximação. Foram discussões bastante construtivas", declarou.

"Não há muito tempo a América foi confrontada com eventos graves depois da infame morte de um afro-americanos e a criação do movimento Black Lives Matter. Lamentamos pelos americanos e pelo povo americano, mas não pretendo isso no nosso território", referiu.

Biden respondeu: "A minha resposta é de certa forma o que já disse. Acho a comparação é ridícula".

Os dois comprometeram-se a tomar medidas concretas a favor cibersegurança, segurança militar estratégica e o melhoramento das relações diplomáticas, com o reenvio dos respetivos embaixadores.

O presidente dos Estados Unidos deixou Genebra a afirmar que o sucesso da cimeira seria visto no comportamento russo nos próximos três a seis meses.