EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ataque a escritório da ONU em Herat

Ataque a escritório da ONU em Herat
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Nara Madeira com AP, AFP, EVN
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O escritório da ONU, na província de Herat, foi incendiado. Porta-voz dos Talibãs diz que foi apanhado no fogo cruzado.

PUBLICIDADE

Intensificam-se os combates no Afeganistão com uma luta feroz entre talibãs e forças governamentais pelo controlo de importantes cidades.

Um escritório da ONU, na província de Herat, no oeste do Afeganistão, foi incendiado na sexta-feira e um dos seus guardas foi morto. Uma situação que aconteceu enquanto os talibãs e as forças afegãs travavam batalhas ferozes na área.

Uma informação avançada pelas Nações Unidas, que está em "contacto com as partes relevantes" para tentar perceber porque acabou debaixo de fogo.

A porta-vos do secretário-geral da ONU explicava que a representante especial deste órgão para o Afeganistão e chefe da missão no país era clara: os responsáveis devem ser "identificados" e "responsabilizados". Referindo que Deborah Lyons enviava condolências à família do polícia morto e desejava uma rápida recuperação aos feridos.

Eri Kaneko acrescentava que os ataques contra quem trabalha para a ONU, civis ou não, "estão proibidos pelo direito internacional e podem equivaler a crimes de guerra".

O porta-voz dos Talibãs, Qari Yousuf Ahmadi, afirmava que o escritório da ONU foi apanhado no fogo cruzado, mas que está "seguro".

Com a retirada das últimas tropas dos EUA e da NATO do país os combates intensificaram-se. Nos últimos meses, os Talibãs fizeram dezenas de invasões e ocuparam vários postos fronteiriços estratégicos, num país devastado pela guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra no Afeganistão longe do fim

ONU alerta para crise humanitária no Afeganistão

Terramoto no Afeganistão pode ter feito 3 mil mortes, dizem autoridades talibãs