Última hora
This content is not available in your region

Gelados não escapam à pandemia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Gelados não escapam à pandemia
Direitos de autor  Diritti d'autore Betsy Vereckey/AP2008
Tamanho do texto Aa Aa

Em 2020, a União Europeia produziu cerca de 2,9 mil milhões de litros de gelado, o que representa um declínio de 9% em relação ao ano anterior. Durante o mesmo período, os estados-membros exportaram 232 milhões de quilos para países terceiros, no valor total de 752 milhões de euros.

Entre os 27, a Alemanha foi o principal produtor. No ano passado, produziu 642 milhões de litros de gelado. No segundo lugar ficou a França e em terceiro a Itália, os dois países com uma produção de mais de 500 milhões de litros.

Para além de ser o maior produtor, em 2020 a Alemanha foi o país que produziu os gelados a preços mais baixos, cerca de 1 euros por litro. A França registou os preços mais altos, cerca de dois euros por litro e liderou as exportações ao vender 59 mil toneladas de gelado, o que corresponde a 25% das exportações totais da União Europeia. Na lista dos maiores exportadores de gelados estão também os Países Baixos (que exportaram 38 milhões de quilogramas de gelado, ou 16% do total das exportações extra-UE), Alemanha (29 milhões de quilogramas, ou 13%), Itália (20 milhões de quilogramas, ou 9%) e Bélgica (16 milhões de quilogramas, ou 7%).

No que diz respeito às importações, a Irlanda foi o estado-membro que mais importou gelados em 2020. Os irlandeses compraram no estrangeiro cerca de 280 mil toneladas de gelado e gastaram 59 milhões de euros.