Última hora
This content is not available in your region

Das cinzas nasce vinho em Lanzarote

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Das cinzas nasce vinho em Lanzarote
Direitos de autor  RTVE
Tamanho do texto Aa Aa

Do negro vulcânico de Lanzarote há um verde que todos os anos irrompe em ouro. Entre 1730 e 1736 a erupção de um vulcão deixou inóspita a área mais fértil da região. Mas as cinzas que desde o século XVIII cobrem a ilha espanhola criaram também um ambiente vinícola único, onde a humidade das colheitas é preservada.

Este ano, prevê-se uma colheita de 1.500 toneladas de uvas, das quais 60% corresponderão a uvas nativas de malvasia vulcânica. Grande parte virá da zona de La Geria, onde o Francisco García Reyes lembra que "é preciso descer, subir, voltar a descer, tudo a pé, sem qualquer tipo de maquinaria" para que a colheita aconteça. "É bastante difícil", desabafa o viticultor.

Foram precisamente os camponeses que, com as suas próprias mãos, ou com a ajuda de camelos, começaram a cavar fossos para aceder à camada superior do solo e cultivá-la.

Com seis metros de diâmetro e até três metros de profundidade, os buracos estão na sua maioria rodeados por pedras circulares ou em forma de lua crescente e funcionam como um abrigo do vento. A temperatura das cinzas vulcânicas ajuda as uvas a aumentar o seu açúcar e, como resultado, o seu teor alcoólico.

Neste que é um dos campos mais singulares do mundo, a sucessão perfeita de abrigos de pedra protege as vinhas que brotam dos sulcos profundos. A conjugação de solos duros, ventos alísios, e escassa pluviosidade beneficia os viticultores.

"Vinos de Lanzarote" é hoje uma Denominação de Origem Protegida, que nasceu porque, como recorda o presidente, Víctor Díaz, os "antepassados escavaram até ao solo fértil e plantaram lá as vinhas".