EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ministério Público Federal contra projeto de lei sobre indígenas

Manifestação indígena em Brasília
Manifestação indígena em Brasília Direitos de autor Eraldo Peres/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Eraldo Peres/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O MPF considerou o projeto inconstitucional. Entretanto, os protestos continuam em Brasília. No Rio de Janeiro, uma estátua de Pedro Álvares Cabral foi vandalizada.

PUBLICIDADE

O Ministério Público Federal (MPF) brasileiro considerou inconstitucional o projeto de lei sobre a demarcação das terras dos povos indígenas.

Uma das medidas mais polémicas deste projeto de lei é o “marco temporal”, que defende que povos indígenas brasileiros só podem reivindicar terras onde viviam a 5 de outubro de 1988, o dia em que entrou em vigor a atual Constituição do país. Assim será preciso a confirmação da posse da terra nesta data mesmo que os povos tenham sido afastados pela violência.

A posição do MPF foi conhecida esta quarta feira, durante uma audiência pública no Senado e um dia antes do início da análise do projeto de Lei pelo Supremo Tribunal Federal.

À espera da decisão, cerca de 5000 indígenas estão acampados em Brasília desde o início da semana.

Todos os dias têm participado em manifestações para chamar a atenção dos juízes e de todo o país. Vários protestos têm acontecido também noutras cidades brasileiras.

Estátua vandalizada

Na madrugada desta quarta-feira, uma estátua do navegador português Pedro Álvares Cabral foi incendiada no Rio de Janeiro.

O ato de vandalismo foi reivindicado pelo grupo indígena, Uruçu Mirim. Numa mensagem divulgada na conta do Twitter, que entretanto foi cancelada, o grupo escreveu que O incêndio quis “destruir tudo” o que Pedro Álvares Cabal “simboliza ainda nos dias de hoje”, numa forma de protesto contra o “marco temporal” e o “genocídio indígena continuado”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Supremo Tribunal Federal derruba tese do marco temporal

Lula demarca novas terras indígenas no Brasil

Protesto pede justiça para adolescente morto em operação policial no Rio de Janeiro