Última hora
This content is not available in your region

As novas regras do desconfinamento na Europa

Access to the comments Comentários
De  Euronews com LUSA
euronews_icons_loading
As novas regras do desconfinamento na Europa
Direitos de autor  PTRTP via EVN screengrab
Tamanho do texto Aa Aa

Portugal continental começou esta sexta-feira a ultima fase do desconfinamento, com a reabertura de bares e discotecas e o fim das limitações na ocupação de restaurantes e lojas. O plano de levantamento das restrições está depndente do ritmo da vacinação. Nesta altura, o país está muito perto de atingir os 85% dos residentes com a vacinação completa.

O desconfinamento era composto por três fases: a primeira entrou em vigor a 01 de agosto, com 57% da população com a vacinação completa contra a covid-19, e a segunda iniciou-se a 23 do mesmo mês, quando 70% dos portugueses já tinham recebido as duas doses da vacina.

Face à atual situação epidemiológica, o território continental entra hoje em situação de alerta que vai vigorar até às 23:59 de 31 de outubro, o nível de resposta a situações de catástrofe mais baixo previsto na Lei de Base da Proteção Civil.

Bélgica

Na Bélgica, as máscaras já não são obrigatórias nos hotéis, espaços de lazer e nas lojas.

Depois de meses encerrados, os cafés e restaurantes voltaram a receber clientes. Com a reabertura das fronteiras europeias, os proprietários esperam que os turistas estrangeiros regressem aos estabelecimentos de restauração.

Vaticano

A partir de agora, para entrar no Vaticano é necessário um certificado sanitário. Os residentes, trabalhadores e visitantes têm de apresentar o "Passe Verde" que já é utilizado por toda a Itália. Segundo as novas regas do Estado, haverá uma exceção para os participantes das missas "mas apenas durante o tempo estritamente necessário”.

Eslovénia

O Tribunal Constitucional da Eslovénia bloqueou o plano para tornar obrigatória a vacinação contra a covid-19 para os funcionários públicos. O governo tinha planeado exigir a vacina ou a prova de recuperação da doença a partir desta sexta-feira a cerca de 31 mil pessoas, incluindo funcionários públicos, polícias e soldados, para continuarem a trabalhar.