Denunciante da Facebook reitera promoção do ódio pelo lucro

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Denunciante da Facebook reitera promoção do ódio pelo lucro
Direitos de autor  Matt Dunham/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

A denunciante da Facebook voltou a acusar a rede social de Mark Zuckerberg de promover o ódio para fazer dinheiro. Frances Haugen foi consultada por deputados britânicos que trabalham num projeto-lei para regular o mercado digital.

O Reino Unido está a preparar novas regras para a Internet e a opinião da denunciante do Facebook foi considerada um dado importante antes do projeto-lei ser colocado a votação no parlamento, em Westminster.

Frances Haugen explicou que "instigar o ódio é o meio mais fácil para gerar interações" numa rede social e "quanto mais interações um anúncio na Facebook tiver mais barato fica para o anunciante".

"Nós não inventámos o ódio. Não inventámos a violência étnica. Mas essa não é a questão. A questão é: o que está a Facebook a fazer para amplificar ou para expandir o ódio ou a violência étnica?", disse Haugen perante os deputados.

Questionada pelo conservador Damian Collins, presidente da comissão parlamentar conjunta, se a rede social estava a contribuir para agravar o ódio existente, Frances Haugen foi perentória: "Sem dúvida, está a torna-lo pior".

A denunciante apontou o dedo também aos populares grupos do Facebook, perigosos devido ao uso de "algoritmos que procuram utilizadores com interesses populares para os pressionar com interesses mais extremistas".

Haugen avisa que a Facebook usa estes grupos para extremar as opiniões dos utilizadores e promover as referidas interações.

A denunciante alerta ainda contra a rede social Instagram, "o maior perigo da para os adolescentes" por estar constantemente a promover a "competição social e estética" entre os utilizadores.