EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Risco de inundações aumenta com o degelo da Gronelândia, alertam investigadores

Risco de inundações aumenta com o degelo da Gronelândia, alertam investigadores
Direitos de autor EURONEWS
Direitos de autor EURONEWS
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um estudo da Universidade de Leeds revela que, nos últimos 40 anos, o degelo da Gronelândia tem sido mais frequente e intenso, aumentado o nível do mar e o risco de inundações. #COP26

PUBLICIDADE

Em toda a Gronelândiagelo suficiente para fazer subir o nível do mar cerca de 7,5 metros em todo o mundo. Na última década, derreteram três mil e quinhentos milhões de toneladas, fazendo as águas subir um centímetro

O fenómeno é mais intenso e frequente de há 40 anos para cá, revela um estudo liderado pela Universidade de Leeds publicado esta segunda-feira.

A glaciologista Alexandra Messerli alerta para algo a que os cientistas chamam "amplificação do Ártico", com a região "a aquecer entre duas e três vezes mais depressa do que outras áreas do globo".

O que acontece na Gronelândia, avisa a investigadora, "é uma espécie de indicador do que está para acontecer em outros lugares".

Os efeitos do aquecimento global na Gronelândia são já visíveis, conforme explica o hidrologista Arno C. Hamman. 

"O gelo marinho desapareceu de forma acentuada ao longo das últimas décadas. Quase setenta por cento em termos de volume. O gelo é muito branco, muito refletor e reflete muita luz solar de volta para o espaço. Portanto, quando o gelo marinho é substituído pelo oceano escuro, ele absorve luz solar adicional. Esta é em parte a razão pela qual o Ártico está a aquecer muito mais".

As calotas de gelo estão a derreter mais depressa do que nunca, afirmam os investigadores. E mesmo que pudéssemos parar completamente as alterações climáticas agora, o degelo iria continuar por algum tempo.

No entanto, uma ideia reúne também consenso entre os cientistas: quanto mais cedo pararmos as emissões de gases com efeito de estufa que aquecem a terra, mais rapidamente as calotas de gelo vão poder tentar encontrar um novo equilíbrio e sobreviver.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Glaciares dos Pirenéus vão desaparecer em menos de 30 anos

Turismo na Gronelândia aumenta

Gronelândia perde 532 mil milhões de toneladas de gelo em 2019