EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Declaração de Glasgow" por um turismo mais ecológico

"Declaração de Glasgow" por um turismo mais ecológico
Direitos de autor Scott Heppell/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Scott Heppell/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Organização Mundial do Turismo lançou a "Declaração de Glasgow", com o objetivo ambicioso de zero emissões de carbono na indústria turística em 2050

PUBLICIDADE

Uma indústria turística mais verde é o que pretende a Organização Mundial do Turismo (OMT) que lançou esta quinta-feira a "Declaração de Glasgow". O objetivo é reduzir para metade as emissões de gases com efeito de estufa até 2030 e alcançar zero emissões antes de 2050. Um grande desafio para o setor.

O secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, explica a ideia: "Digamos que a grande campanha que estamos a lançar hoje e o que queremos é que todas as pessoas que viajam, estejam envolvidas e sejam mais responsáveis quando falamos de plásticos, quando falamos de redução de carbono".

A "Declaração" visa pressionar a indústria turística a acelerar a sua transição no combate às alterações climáticas. Está em causa o emprego de quase 300 milhões de pessoas.

Darrell Wade, cofundador e presidente do grupo Intrepid entende a necessidade de avançar com as transformações no setor. "A indústria das viagens depende dos destinos para onde as pessoas querem ir e, no caso de alterações climáticas a 3 graus, haverá destinos para os quais não valerá a pena viajar. Isto significa que milhões de pessoas perderão os seus empregos e o sustento económico desses países cairá", afirma

Esta transição deve também servir as comunidades que vivem mais perto dos destinos turísticos, cujo papel é essencial no esforço de preservação dos ecossistemas.

O ministro do Turismo do Panamá lembra os efeitos das mudanças climáticas para as populações indígenas: "5% da população mundial, de acordo com a National Gographique, é indígena e preserva 80% da biodiversidade do mundo; penso que é uma chave importante que nós também cuidemos do desejo dos ancestrais, dos indígenas de encontrar a resposta para os desafios que enfrentamos hoje como as mudanças climáticas

Os anciãos indígenas do grupo Minga organizaram uma marcha em Glasgow na quarta-feira, marcando o terceiro dia da conferência sobre o clima - COP26 - que continua até ao dia 12 de novembro, na Escócia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Josep Borrell diz que compromissos climáticos dão força ao Mercosul

Referendo australiano chumba proposta de Comissão de Defesa dos Indígenas

Supremo Tribunal Federal derruba tese do marco temporal