Mais de 40 países vão abandonar o carvão

Mais de 40 países vão abandonar o carvão
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Compromisso foi assumido na cimeira da ONU sobre o clima e anunciado pelo Reino Unido. Para já, há um grande obstáculo ao entusiasmo de Londres : alguns dos países mais dependentes do carvão, como a China, Austrália e Estados Unidos, não se comprometeram

PUBLICIDADE

O Governo britânico anunciou esta quinta-feira que mais de 40 países comprometeram-se com o fim do uso do carvão nos próximos anos, e que 11 instituições financeiras vão fazer parte desta aliança.

O secretário de Estado britânico para a Energia diz que “o mundo está a avançar na direção certa”, mas há para já um grande obstáculo ao entusiasmo de Londres : alguns dos países mais dependentes do carvão, como a China, Austrália e Estados Unidos, não se comprometeram.

Os ambientalistas da Greepeace presentes na COP26 já alertaram que o texto do compromisso “continua muito aquém da ambição que é necessária".

Transição Energética Justa e Inclusiva

A cimeira do clima das Nações Unidas (COP26) dedica-se hoje ao tema da energia, quando a transição para fontes renováveis e o abandono progressivo dos combustíveis fósseis assume importância central para atingir as metas de contenção das alterações climáticas.

A intenção, declarada no nome da primeira sessão de debate organizada de manhã pela presidência da COP26 é "Acelerar uma Transição Energética Justa e Inclusiva".

Fora da cimeira, os ativistas climáticos que estão concentrados em Glasgow por estes dias promovem uma "visita guiada tóxica" pela cidade escocesa para discutir o seu papel na revolução industrial e para criticar os investimentos em combustíveis fósseis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Josep Borrell diz que compromissos climáticos dão força ao Mercosul

O desafio da energia eólica na Grécia

Bolonha: explosão em central hidroelétrica da bacia de Suviana faz três mortos e quatro desaparecido