EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Protestos contra confinamento na Áustria

Protestos contra confinamento na Áustria
Direitos de autor Florian Schroetter/Associated Press
Direitos de autor Florian Schroetter/Associated Press
De  Maria Barradas com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O governo austríaco decretou medidas restritivas para os cidadãos não vacinados. As restrições vigoram nos próximos 10 dias, com multas até 1450 euros

PUBLICIDADE

Na Áustria, o confinamento para os cidadãos não vacinados, que entrou em vigor às zero horas desta segunda-feira, trouxe às ruas centenas de pessoas em protesto, este domingo, nas horas que antecederam a aplicação da medida.

O governo decretou restrições de circulação para os indivíduos maiores de 12 anos, não vacinados, para além das atividades básicas, como trabalhar, fazer compras de bens essenciais, caminhar ou ser vacinado.

O crescente número de mortes e de internamentos aumenta os receios de que os hospitais esgotem a capacidade de receber doentes Covid-19.

Os opositores às medidas restritivas, que sairam à rua em protesto, alegam:

"Estou aqui para lutar pelos meus direitos. Estas medidas são absolutamente discriminatórias, a começar pela obrigação legal de vacinar os trabalhadores da saúde. Que grupo profissional será forçado a vacinar-se a seguir?

Isto é uma manobra de diversão. Há tantos problemas na Áustria com o governo. Isto serve apenas para distrair as pessoas para que não acordem para a realidade".

A iminência do confinamento provocou uma enorme corrida às vacinas. A Áustria tem uma das mais baixas taxas de vacinação da Europa ocidental com apenas 65% da população inteiramente vacinada.

As medidas restritivas estão previstas para 10 dias e haverá fiscalização. Os infratores incorrem em multas até 1450 euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro-ministro holandês chama "idiotas" a manifestantes violentos

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19