Quase 100 candidatos na corrida às presidenciais na Líbia em dezembro

Access to the comments Comentários
De  Fátima Valente
Quase 100 candidatos na corrida às presidenciais na Líbia em dezembro
Direitos de autor  frame

98 candidatos às presidenciais na Líbia. A corrida eleitoral está marcada para 24 de dezembro, com muitos dos candidatos ligados ao caos da última década.

O primeiro-ministro interino, Abdulamid Dbeibah, é apontado como um dos principais candidatos à presidência, depois de nos últimos meses ter tomado medidas populistas, incluindo projetos de infraestrutura e apoios para jovens recém-casados.

Dbeibah, de 63 anos, vem de uma das famílias de empresários mais ricas da Líbia, mas não era uma figura proeminente por direito próprio até que o fórum político da ONU o escolheu para liderar o governo interino que supervisionava as eleições.

O primeiro-ministro interino ainda não disse publicamente por que razão decidiu quebrar a promessa que fez quando foi nomeado, de que não teria nenhum papel na eleição.

Dbeibah pode vir a ser desqualificado como candidato porque a lei obriga a renunciar ao cargo três meses antes da votação – condição que o atual primeiro-ministro interino não cumpriu.

Outro candidato é Khalifa Haftar, chefe do autoproclamado Exército Nacional da Líbia. O marechal é apoiado pela Rússia, Egito e Emirados Árabes Unidos, e contestado por muitos no oeste do país, pela devastadora ofensiva que levou a cabo no ano passado, em Trípoli.

Haftar anunciou a candidatura dois dias depois do filho do antigo líder líbio Saif al-Islam Kadhafi ter feito o mesmo na cidade de Sabha.

Haftar e Ghhadafi estão ambos acusados de crimes de guerra.

As eleições são uma das exigências feitas pelas Nações Unidas (ONU) no ano passado, como parte do plano para acabar com a guerra civil. O processo também levou à formação do governo de unidade interino de Abdulhamid Dbeibah, que agora se apresenta como candidato à presidência.

Estas eleições são consideradas um marco no processo político para reconstruir a Líbia depois de uma década de caos, que resultou da revolta popular, apoiada pela NATO e que derrubou Muammar Kadhafi, em 2011. O processo contempla ainda eleições legislativas, previstas para janeiro próximo.