EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Sonhar com pinturas na Síria

Sonhar com pinturas na Síria
Direitos de autor xxx
Direitos de autor xxx
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jovem artista de 16 anos escapa à realidade da guerra com pincéis e tintas

PUBLICIDADE

Na localidade síria de Sarmin, as pinturas de Roaa iluminam a casa da família Tanari.

Roaa Tanari, artista: "A pintura é para mim outra vida. Quando pinto, esqueço tudo o que me rodeia. Prefiro estar no meu mundo, onde posso pintar aquilo que sonho e onde gostaria de estar."

Com apenas 16 anos, Roaa viveu a maior parte da vida entre as ruínas da guerra.

Roaa Tanari, artista: "A guerra e destruição afetaram-me a mim e tudo à minha volta. Por isso uso a pintura para escapar à realidade. Pinto a natureza, a esperança e o otimismo."

No noroeste da Síria, controlado por forças rebeldes desde 2015, conseguir educar-se representa um grande desafio. As escolas de arte e material artístico são praticamente inexistentes.

Roaa Tanari, artista: "Encontrar material nesta zona é muito difícil. Eu serro a madeira e faço o tecido das telas. Os pincéis que utilizo são os mais simples que existem. Tenho enfrentado muitos obstáculos. Tudo o que uso, sou eu que faço."

Roaa sonha em aprender a pintar profissionalmente, mas para já contenta-se em evoluir de forma autodidata. A jovem não consegue imaginar um futuro como artista profissional num país tão perigoso e destruído como a Síria.

Roaa Tanari, artista: "Sonho em ir para um país europeu, onde possa estudar e pintar num instituto que apoie as artes, nalgum sítio onde possa desenvolver o meu talento."

Enquanto espera que o sonho se torne realidade, Roaa continua a pintar e a viver através dos seus quadros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Retoma na Síria após a guerra civil tem um segredo "italiano" a brilhar em Idlib

Arménios pedem renúncia de Pashinian por causa do “conflito entre povos fronteiriços”

Abertura da Bienal de Veneza marcada pelas guerras