This content is not available in your region

Os melhores momentos desportivos de 2021

Access to the comments Comentários
De  Andrew Robini
euronews_icons_loading
Os melhores momentos desportivos de 2021
Direitos de autor  euronews
Se 2020 foi um ano diferente de qualquer outro no mundo do desporto devido às restrições da Covid-19, 2021 também testou fãs e atletas até ao limite e ainda assim conseguiu produzir uma série de momentos notáveis.
Andy Robini
Editor de desporto - Euronews

Realizados no meio de uma pandemia, sem público e rejeitados por muitos residentes locais devido às preocupações de segurança, os Jogos Olímpicos de Tóquio apresentaram grandes desafios logísticos.

Atletas de todo o mundo ainda brilharam com o italiano Lamont Marcell Jacobs, a protagonizar uma das maiores reviravoltas dos Jogos ao reclamar o ouro na final dos 100 metros, enquanto Elaine Thompson-Herah da Jamaica se tornou na primeira mulher a vencer o ouro tanto nas corridas dos 100 como dos 200 metros.

Na piscina, Ahmed Hafnaoui da Tunísia, de 18 anos, mostrou ao mundo do desporto que os contos de fadas podem tornar-se realidade ao vencer os 400m de estilo livre, e atletas como Caeleb Dressel, Emma McKeon, Katie Ledecky e Ariarne Titmus, estiveram todos à altura das expectativas nos eventos de natação.

Desde as lágrimas de alegria de Tom Daley a Simone Biles, Tóquio 2020 proporcionou alguns momentos de emoção e introduziu quatro novos desportos com sucesso, dando à família olímpica a oportunidade de explorar novos horizontes e de se ligar à geração mais jovem.

Após 17 dias de competição, os Estados Unidos lideraram a classificação geral à frente da China e do Japão, e apesar da pandemia que pairava sobre a competição, os atletas mantiveram-se unidos e conseguiram unir o mundo em tempos de incerteza e honrar uma aposta ambiciosa, que acabou por dar frutos.

De um grande evento desportivo para outro, porque 2021 também marcado pela conquista italiana do Euro 2020, em Wembley.
Andy Robini
Editor de Desporto - Euronews

Adiada um ano devido à pandemia, a competição deu a oportunidade dos fãs libertarem todas as emoções reprimidas de meses de confinamentos e restrições.

Após uma fase de grupos tensa, a competição ganhou vida nos oitavos de final, com a empolgante vitória de Espanha por 5 a 3 sobre a Croácia, enquanto a Suíça surpreendeu a campeã mundial: França - após um duelo dramático nos penaltis.

Depois de passar no teste de nervos e com todos os principais jogadores em campo, a Inglaterra foi para a partida decisiva numa onda de otimismo, até Itália se sagrar campeã também nos penáltis.

Depois de não conseguir a classificação para o Mundial de 2018 na Rússia, a impressionante mistura de juventude e experiência de Itália compensou, já que seu sexto grande título assinalou o 34º jogo sem perder, reflexo do trabalho de Roberto Mancini e dos seus jogadores.

A luta mais intensa pelo campeonato de Fórmula 1 dos últimos anos, Lionel Messi ingressa no PSG, Tadej Pogačar conquista o segundo título consecutivo do Tour de France ou até mesmo a despedida emotiva da lenda da MotoGP Valentino Rossi... 2021 foi especial, mas podia ter sido muito mais.
Andy Robini
Editor de desporto

Depois de afirmar seu domínio no Open da Austrália, França e em Wimbledon, Novak Djokovic teve a oportunidade de se tornar no primeiro homem em mais de 50 anos a vencer todos os quatro campeonatos de ténis, quando enfrentou Daniil Medvedev na final do Open dos Estados Unidos.

Muitas vezes retratado como vilão em vez de herói, o jogador de 34 anos acabou por perder a partida em dois sets, mas conquistou o público de Nova Iorque, que nunca lhe tinha mostrado o mesmo apoio como aos seus grandes rivais, Roger Federer e Rafael Nadal.

Os três pesos-pesados estão empatados com 20 títulos de Grand Slam, rumando a um novo ano, que pode ser emocionante para os fãs do desporto em todo o mundo, com a Campeonato do Mundo  no Catar e as Olimpíadas de inverno em Pequim - alguns dos eventos que nos vão manter em suspense em 2022.