EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

O ataque ao Capitólio

 O ataque ao Capitólio
Direitos de autor Jose Luis Magana/AP
Direitos de autor Jose Luis Magana/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No dia 06 de janeiro de 2021 milhares de apoiantes de Donald Trump invadem a sede do Congresso norte-americano

PUBLICIDADE

Há um ano, no dia seis de janeiro de 2021, o dia começou com milhares de norte-americanos a assistir a um comício de Donald Trump, em Washington, a poucos dias de Joe Biden tomar posse como o 46° presidente dos Estados Unidos da América.

Ainda no rescaldo da derrota, Donald Trump colocava em causa a veracidade dos resultados do escrutínio e pediu aos apoiantes para protestarem e "lutarem, lutarem com todas as forças".

Incitados por Trump, milhares de pessoas percorreram a Avenida da Pensilvânia em direção ao Capitólio.

Chegados à sede do Congresso norte-americano os manifestantes entraram em confronto com a Polícia do Capitólio que, em desvantagem numérica, começa a recuar.

Ao início da tarde, milhares de pessoas invadem o Capitólio. O edifício é evacuado pela polícia.

As cenas de violência chocaram o país e o mundo, enquanto Donald Trump se mantinha em silêncio no interior da Casa Branca.

A presidente da Câmara Municipal de Washington, Muriel Bowser, ordena o recolher obrigatório em toda a cidade a partir das 18 horas, até às seis horas da manhã do dia seguinte.

O vice-presidente, Mike Pence, teve de ser escoltado para fora do Capitólio, enquanto Donald Trump continuava a incitar os apoiantes na rede social Twitter.

São disparados vários tiros no interior do edifício.

O Ataque ao Capitólio, como ficou conhecido, termina ao final do dia após a intervenção da Guarda Nacional.

Às 20 horas locais, o Congresso norte-americano volta a reunir-se para retomar a contagem dos votos do Colégio Eleitoral.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos