EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Blinken promete resposta em caso de agressão russa na Ucrânia

Blinken promete resposta em caso de agressão russa na Ucrânia
Direitos de autor Bernd Von Jutrczenka/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Bernd Von Jutrczenka/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No encontro com os chefes da diplomacia do Reino Unido, França e Alemanha, o secretário de Estado norte-americano falou do perigo de uma nova Europa dividida.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos autorizaram os países bálticos a enviar armas norte-americanas para a Ucrânia, perante a ameaça de uma invasão do país por parte da Rússia. O secretário de Estado norte-americano, Anthony Blinken, disse também que qualquer agressão por parte da Rússia teria uma resposta forte por parte dos Estados Unidos e aliados europeus.

Essa posição foi deixada clara no encontro entre Blinken e os chefes da diplomacia do Reino Unido, França e Alemanha, em Berlim: Permitir que a Rússia viole estes princípios impunemente arrastar-nos-ia de volta a tempos muito mais perigosos e instáveis, quando este continente e esta cidade estavam divididos em dois, separados por terras de ninguém patrulhadas por soldados e a ameaça de uma guerra total a pairar sobre a cabeça de todos. Além de que é uma mensagem enviada a todo o mundo, a dizer que estes princípios são descartáveis. E isso também teria resultados catastróficos", avisou o chefe da diplomacia norte-americana.

Permitir que a Rússia viole princípios impunemente arrastar-nos-ia de volta aos tempos em que a Europa e Berlim estavam divididas em duas.
Anthony Blinken
Secretário de Estado norte-americano

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse também que não aceitava uma nova Europa dividida e exortou a Rússia a respeitar as convenções de Helsínquia e de Paris, que assinou. Foram reparos feitos no Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça: "Queremos este diálogo. Queremos que os conflitos sejam resolvidos nos organismos que foram formados para esses propósitos. Se a situação se degradar e houver novos ataques à integridade territorial da Ucrânia, vamos responder com grandes sanções económicas e financeiras", disse. 

Se a situação se degradar e houver novos ataques à integridade territorial da Ucrânia, vamos responder com grandes sanções económicas e financeiras
Ursula von der Leyen
Presidente da Comissão Europeia

O Kremlin, através do porta-voz de Vladimir Putin, diz que as entregas de armas à Ucrânia e a permanente ameaça de sanções contra a Rússia podem ter como consequência uma guerra civil em larga escala: "Todas estas declarações contribuem para a desestabilização, porque podem fazer com que certas ideias entrem na cabeça de certos representantes da Ucrânia e da liderança ucraniana, que podem decidir começar uma nova guerra civil no seu país", disse Dmitri Peskov.

Estas declarações podem fazer com que a liderança ucraniana desencadeie uma nova guerra civil no país.
Dmitri Peskov
Porta-voz do Kremlin

Na linha da frente, na região do Donbass, no leste da Ucrânia, região maioritariamente russófona, a situação parece ter-se estabilizado. Num comunicado, o exército ucraniano diz que não houve combates pelo terceiro dia consecutivo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Armas americanas chegam a Kiev e Moscovo envia aviões de caça para a Bielorrússia

Blinken e Lavrov: Há diálogo, mas não há progresso sobre situação na Ucrânia

EUA fazem mais um aviso à Rússia caso haja invasão à Ucrânia