"Faraó das bitcoins" gerou milhares com esquema de pirâmide em "novo Egito" brasileiro

Cabo Frio, Brasil, foi palco de um esquema de pirâmide baseado no investimento em bitcoins
Cabo Frio, Brasil, foi palco de um esquema de pirâmide baseado no investimento em bitcoins Direitos de autor Bruna Prado/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um esquema de pirâmide desenvolvido no Brasil levou milhares de pessoas a perder dinheiro. "Faraó das bitcoins" fez vítimas em várias partes do mundo, inclusive em Portugal.

PUBLICIDADE

Por trás da serenidade estival de Cabo Frio um frenesim tem abalado a população local. O município do estado do Rio de Janeiro, no Brasil, é agora conhecido como o "Novo Egito". A alcunha foi ganha após ter sido descoberto que a localidade era palco de um enorme esquema de pirâmide de investimento em criptomoedas, avaliado acima de seis mil milhões de euros.

Documentos obtidos pela agência de notícias Associated Press revelam que entre 2015 e meados de 2021, Glaidson Acácio dos Santos terá defraudado, através da empresa G.A.S Consulting & Technology, milhares de pequenos investidores a comprar bitcoins com a promessa de um retorno mensal de 10%.

O vislumbre de um enriquecimento rápido levou a que o comércio de reais brasileiros na Binance, a maior bolsa de criptomoedas do mundo, saltasse de 152 milhões de dólares no quarto trimestre de 2020, para quase 8,5 mil milhões de dólares um ano depois.

No entanto, como em qualquer esquema deste tipo, depois de os primeiros aderentes terem começado a enriquecer, todos os outros começaram a somar prejuízos.

"Tem gente que está no desespero, passando fome, que acreditou que aquilo seria uma espécie de pensão e que infelizmente perderam as últimas moedas, os últimos recursos que tinham investindo nisso", revela Luciano Regis, advogado de algumas das vítimas do esquema financeiro.

Com operações em 13 estados brasileiros e sete países, entre os quais os EUA, Emirados Árabes Unidos, o Reino Unido e Portugal, a empresa terá feito, de acordo com as autoridades, pelo menos 27 mil vítimas.

Glaidson dos Santos, antigo empregado de mesa, hoje conhecido como "Faraó das bitcoins", está detido e aguarda julgamento. É acusado de extorsão, crimes financeiros, autoria moral de assassinato e tentativa de homicídio de dois concorrentes comerciais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Covid-19: a pandemia das fraudes

Interpol revela fraude internacional na venda de máscaras

"Bloco da latinha": este desfile de Carnaval ouve-se muito antes de se ver