EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Dia dos Namorados: O romantismo de Veneza e Viena

Dia dos Namorados: O romantismo de Veneza e Viena
Direitos de autor AP Photo/Hussein Malla
Direitos de autor AP Photo/Hussein Malla
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Veneza e Viena são duas das cidades mais românticas da Europa para celebrar o Dia dos Namorados, pela beleza, pelo charme e também pelas doçarias

PUBLICIDADE

O São Valentim é onde os amantes quiserem, mas Viena será certamente uma das cidades mais românticas da Europa para celebrar a data.

A par das joias da arquitetura, que convidam ao romantismo, a capital austríaca tem a pastelaria para adoçar as bocas e os corações. Que o diga Anite Querfeld, dona do café Landtmann:

"A cidade de Viena é particularmente interessante porque vivemos com os nossos doces e confeitaria e somos mundialmente famosos por ela. As pessoas dão corações para o dia de São Valentim. Neles podes escrever: Ich liebe dich -"Amo-te (no sentido de paixão)" - ou ich habe dich lieb - "amo-te (no sentido de amizade)".

O Café Landtmann é uma verdadeira instituição vienense e Anita Querfeld é uma instituição em si mesma. Aos 80 anos, ela ainda passa muito tempo na cafetaria a verificar se as coisas correm bem.

Desde que assumiu a cafetaria com o seu marido, há quase meio século, o negócio deles cresceu para 10 estabelecimentos, onde três gerações trabalham juntas. Em todas, a tradição do Dia dos Namorados é o bolo em forma de coração e o Gugelhupf, o pastel típico da pastelaria vienense, que se veste de corações para a ocasião.

Em Veneza "amo-te" rima frequentemente com um passeio de gôndola. A cidade é também um dos destinos preferidos dos amantes no Dia dos Namorados e não só.

Aqui não há celebrações de São Valentim sem chocolate e a chocolataria "VizioVirtù" é passagem obrigatória.

"O mais precioso (das criações de chocolate) é aquele com a folha de ouro porque é produzido por um "battioro" - pessoa que bate o ouro -, que em Veneza é um ofício antigo, e que produz a partir de um lingote estas folhas muito finas. Batendo-as com um pequeno martelo, ele é capaz de fazer estas folhas que são alimentares".

Este ano, o Dia dos Namorados chega logo após o fim de semana de abertura do famoso Carnaval de Veneza, e entre as delícias tentadoras aqui estão as típicas máscaras venezianas feitas de chocolate.

Mas os corações continuam a ser a forma mais popular como presentes românticos.

A "VizioVirtù" faz corações de todos os tamanhos e que muitas vezes são pequenas caixas para serem enchidas com chocolates ainda mais pequenos.

Veneza é o lugar perfeito para o Dia dos Namorados não só porque é uma das cidades mais românticas do mundo, mas também porque a sua ligação com o chocolate é verdadeiramente histórica.

A cidade lagunar, juntamente com Turim e Florença, foi um dos primeiros lugares em Itália onde o chocolate chegou no início do século XVII.

O chocolate foi consumido pela primeira vez sob forma líquida, em "coffee shops" que competiam para criar as melhores receitas, oferecendo um número crescente de bebidas com sabor a chocolate.

No final do século XVII, a moda do chocolate começou a alastrar e as primeiras marcas comerciais foram criadas. Contudo, foi apenas no século XIX que o chocolate se tornou um deleite não apenas para os ricos, mas para todos, graças à introdução de processos mecanizados.

Ninguém incarna melhor a ligação entre Veneza, chocolate e noites de paixão do que Giacomo Casanova.

Mariangela Penzo garante que o grande sedutor e aventureiro, considerado o "Amante Latino" italiano por excelência, usou chocolate "para se reenergizar depois das suas noites de amor".No Jardim Zoológico de Londres também se celebra o amor. Um casal de leões recebeu corações feitos com mangueiras e perfumados com canela.

No Jardim Zoológico de Londres também se celebra o amor. Um casal de leões recebeu corações feitos de magueiras com aromas de canela. Diz quem viu que os felinos terão apreciado as especiaria e trocado fricções aconchegantes.

PUBLICIDADE

E o amor comporta todas as formas, do Homem aos animais, passando pelo pelas plantas e toda a vida no Planeta.  

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Seda dourada e arte secular da tecelagem em exposição no Catar

Da dança com espadas ao teatro moderno, as artes performativas no Catar são um espetáculo

"Conduzir o Judas", uma velha tradição que se mantém na Chéquia