This content is not available in your region

A vinha que pagou a "Última Ceia" de Leonardo Da Vinci

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
A vinha que pagou a "Última Ceia" de Leonardo Da Vinci
Direitos de autor  Twitter/La Vigna di Leonardo

Há uma vinha no centro de Milão que não é apenas mais uma vinha. Está nos jardins da Casa degli Atellani, pertenceu a Leonardo da Vinci e foi-lhe dada por Ludovico 'Il Moro' em 1498, como pagamento por ter pintado uma das suas obras mais famosas: A "Última Ceia".

O diretor da vinha, Alessandro Cotroneo, conta a história:  "Esta vinha foi, de facto, o método de pagamento da 'Última Ceia`. Esta história refere-se a Ludovico "Il Moro" Duque de Milão, que comprou esta casa para instalar aqui a sua sede; apresenta-se Leonardo Da Vinci, que tinha chegado de Florença, já não estava com os Medicis, e era conhecido pelo estudo da máquina da guerra. Leonardo escreve no seu currículo que, entre outras competências, também pinta. Il Moro pede-lhe para pintar a 'Última Ceia`e dá-lhe 8327 metros quadrados".

Em 2007, foram encontrados resíduos biológicos vivos da vinha original, localizada no interior do jardim. Esta investigação levou à replantação da vinha, Malvasia di Candia Aromatica: O vinho de Leonardo da Vinci.

A vinha está rodeada de lendas envolvendo Leonardo, as suas obras e os seus seguidores. Hoje a vinha nasce de novo, dentro das linhas originais e com o cepo de vinha original.

De Florença de Lorenzo de Medici, Leonardo muda-se para Milão, sob o domínio de Ludovico Maria 'Il Moro' Sforza, em 1482. Nessa altura, tanto Leonardo como Ludovico têm 30 anos de idade.

Em 1495, Ludovico encomenda a Leonardo a pintura da 'Última Ceia` no refeitório de Santa Maria delle Grazie. Leonardo demora três anos a concluir a obra e, em 1498, Ludovico concede a Leonardo a propriedade de uma vinha de cerca de 16 filas.

É bom imaginar Leonardo a deixar o seu local de trabalho ao pôr-do-sol, a atravessar a praça e a casa Atellani, e finalmente a verificar a sua querida vinha. No entanto, quando as tropas do Rei de França desaparecem e 'Il Moro' é preso, em 1500, Leonardo deixa Milão, pouco depois de ter cedido em locação a vinha ao pai do seu aluno, Gian Giacomo 'Salaì' Caprotti.

Leonardo nunca deixará de tomar conta da sua vinha. Quando os franceses confiscam a vinha, Leonardo finalmente consegue levá-la de volta e no seu leito de morte menciona-a, deixando parte dela a um criado e outra parte a 'Salaì'.

A propriedade foi mais tarde adquirida por Ettore Conti, engenheiro e magnata da indústria elétrica italiana, e restaurada nos anos 20 pelo famoso arquiteto milanês Piero Portaluppi.

Em 12 de setembro de 2018, pela primeira vez, a vinha de Leonardo foi vindimada e contida em 330 decantadores - garrafas -  inspirados no esboço de Leonardo da Vinci. A primeira das 330 peças descansará no museu abaixo do teto afresco, como símbolo de uma ligação eterna entre Leonardo e a cidade de Milão.