This content is not available in your region

Rússia e Ucrânia trocam acusações em Conselho de Segurança da ONU

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Rússia e Ucrânia trocam acusações em Conselho de Segurança da ONU
Direitos de autor  AP Photo

A troca de acusações entre a Rússia e a Ucrânia dominou, esta quinta-feira, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Nas ONU, os dois países apontaram o dedo um ao outro para denunciar o incumprimento dos acordos de Minsk, um protocolo assinado em 2015, com vista a pôr fim ao conflito no Donbass, entre o governo ucraniano e os separatistas pró-russos.

Aliados da Ucrânia, os Estados Unidos da América (EUA) acusaram ainda Moscovo de estar a criar pretextos para o início de uma guerra e a invasão do país vizinho. A diplomacia norte-americana acusa a Rússia de "identificar alvos" para atacar.

O Kremlin desmente as acusações e diz que as tropas destacadas nos territórios vizinhos da Ucrânia, como a Crimeia, vão regressar às respetivas bases militares após os exercícios militares..

Sergey Vershinin, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, denunciou ainda "as tentativas de atribuir a culpa à Rússia", que considerou "fúteis e sem fundamento". De acordo com Vershinin, "isto apenas esconde o objetivo de transferir a culpa para longe da Ucrânia".

Jardim de infância em Stanytsia-Luganska, Ucrânia, após ter sido atingido

No entanto, Ucrânia e aliados veem a permanência do exército russo na Bielorrússia em alegados exercícios militares conjuntos como uma ameaça à paz no território.

Em resposta aos argumentos da Rússia, o representante permanente da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya, afirmou que "a Ucrânia continua empenhada na resolução pacífica do conflito russo-ucraniano por meios políticos e diplomáticos. A Ucrânia quer paz, segurança e estabilidade não só para si própria, mas também para toda a Europa. Ao mesmo tempo, reitero que, no caso da Rússia optar pela escalada, a Ucrânia vai defender-se".

Observadores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) denunciaram, esta quinta-feira novas violações do cessar-fogo no leste da Ucrânia. Kiev e separatistas pró-Rússia acusam-se mutuamente.

O exército ucraniano atribui às forças rebeldes o bombardeado da cidade de Stanytsia-Luganska, onde um jardim de infância foi atingido, obrigando crianças e funcionários a refugiar-se numa cave. Antes as Forças Armadas ucranianas tinham já sido acusadas de abrir fogo sobre território separatista.

O ataque à escola ainda não foi verificado por uma autoridade imparcial.