UE: África pode contar com 150 mil milhões de euros em investimentos

UE: África pode contar com 150 mil milhões de euros em investimentos
Direitos de autor JOHN THYS/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Investimentos, anunciados na cimeira União Europeia-União Africana, serão feitos até 2028. Fazem parte da estratégia de investimento global da União Europeia.

PUBLICIDADE

Em Bruxelas, lançaram-se as sementes para uma renovada parceria entre a Europa e África. Um mantra que os líderes dos dois continentes, presentes da cimeira União Europeia-União Africana não se cansaram de repetir.

O encontro, de dois dias, chegou esta sexta-feira ao fim.

"Muitas vezes não fomos ouvidos. Deram-nos apenas receitas e soluções. Noto uma mudança fundamental de paradigma na relação assente na base da amizade, consideração, escuta mútua, busca de soluções comuns e co-construção de soluções", sublinhou, numa entrevista exclusiva à Euronews, Macky Sall, presidente do Senegal e da União Africana.

Mas há assuntos que ficaram pendentes, como a renúncia europeia em aceitar o levantamento da propriedade intelectual das vacinas contra a Covid-19.

"A propriedade intelectual é uma poderosa alavanca para promover a inovação e a investigação e deve proteger essa dimensão", ressalvou o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

Os líderes europeus e africanos concordaram continuar a discutir para encontrar soluções neste campo e voltarão a reunir-se em abril sobre o problema.

"Não é, de todo, um fracasso. Havendo duas posições opostas, tentamos encontrar um compromisso", esclareceu Macky Sall.

O compromisso entre as partes começou com o anúncio de que seis países africanos (África do Sul, Egito, Nigéria Quénia, Senegal e Tunísia) receberão a tecnologia necessária para produzirem vacinas mRNA em África.

Em matéria económica, a União Europeia vai investir 150 mil milhões de euros em África até 2028.

São fundos destinados a financiar energia verde, valorização de recursos naturais, conectividade digital, corredores de transporte estratégicos, infraestruturas, educação e saúde, por exemplo.

Bruxelas nega que seja tentativa para deter o avanço da influência chinesa na região ao abrigo da iniciativa de investimentos conhecida como "Nova Rota da Seda".

"A vontade da União Europeia não é contrariar a influência de alguém. É desenvolver um projeto positivo", esclareceu o presidente do Conselho Europeu.

Na cimeira União Europeia-União Africana estiveram presentes não menos de 70 delegações.

Burkina Faso, Mali, Sudão e Guiné-Conacri estiveram ausentes. São países que União Africana não convidou para a cimeira de Bruxelas, porque foram palco de golpes de Estado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Vitória de Trump faria com que África (e o mundo) entrasse numa espiral de inferno climático

Saúde e conflitos foram tema da 37ª Cimeira da União Africana - e Durão Barroso um dos convidados