EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Aumenta o isolamento da Rússia na ONU

Embaixador Vasily Nebenzya vota isolado no Conselho de Segurança
Embaixador Vasily Nebenzya vota isolado no Conselho de Segurança Direitos de autor Seth Wenig/Associated Press
Direitos de autor Seth Wenig/Associated Press
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Embaixador de Moscovo foi o único a votar contra a resolução pelo fim do conflito na Ucrânia

PUBLICIDADE

Era o esperado: a Rússia utilizou o poder de veto para bloquear uma resolução no Conselho de Segurança da ONU que deplorava a "agressão contra a Ucrânia"

É preciso dar uma outra oportunidade à paz. Os soldados têm de regressar às casernas. Os líderes têm de regressar ao caminho do diálogo e da paz.
António Guterres
Secretário-geral da ONU

O voto negativo do embaixador de Moscovo foi completamente isolado. Todos os outros membros do Conselho votaram a favor, exceto a China, a Índia e os Emirados Árabes Unidos, que se abstiveram.

A embaixadora americana, Linda Thomas Greenfield, veio relembrar que esta guerra "é uma escolha da Rússia".

António Guterres, secretário-geral da ONU, reiterou esta ideia, dizendo que "as Nações Unidas nasceram da guerra para acabar com a guerra. Hoje, esse objetivo não foi alcançado. Mas ninguém deve desistir. É preciso dar uma outra oportunidade à paz. Os soldados têm de regressar às casernas. Os líderes têm de regressar ao caminho do diálogo e da paz".

E esta reunião na ONU fica também marcada por uma imagem simbólica: a do embaixador da Ucrânia, Sergiy Kyslytsya, a segurar a bandeira do seu país, rodeado dos representantes da União Europeia, em frente a uma reprodução da "Guernica" de Picasso, um dos retratos mais míticos de uma guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Assembleia Geral das Nações Unidas exige fim da ofensiva na Ucrânia

Rússia declara correspondente da BBC de “agente estrangeiro”

Manifestantes ucranianos pedem rotação de soldados