This content is not available in your region

Assembleia Geral das Nações Unidas exige fim da ofensiva na Ucrânia

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AP, AFP
euronews_icons_loading
Assembleia Geral das Nações Unidas exige fim da ofensiva na Ucrânia
Direitos de autor  Seth Wenig/Copyright 2022. The Associated Press. All rights reserved.

A Assembleia Geral da ONU exige que a Rússia pare a sua ofensiva na Ucrânia e retire todas as tropas do país. A declaração, que não é juridicamente vinculativa, como as tomadas pelo Conselho de Segurança, foi aprovada com 141 votos a favor, cinco contra e 35 abstenções, entre elas as de Angola e Moçambique. De acordo com as regras destas sessões de emergência, uma resolução precisa do apoio de dois terços dos países que votam para ser aprovada, as abstenções não contam. Tratou-se da primeira sessão de emergência convocada desde 1997. 

Para o secretário-geral das Nações Unidas é obrigatório parar o conflito. O secretário-geral da ONU afirmava que a mensagem que sai desta Assembleia Geral é"clara e inequívoca".

"Acabem com as hostilidades na Ucrânia já, silenciem as armas já, abram a porta ao diálogo e à diplomacia já. A integridade territorial e a soberania da Ucrânia devem ser respeitadas, de acordo com a Carta das Nações Unidas. Não temos um momento a perder. Os efeitos brutais deste conflito são evidentes. Mas por muito má que a situação seja para o povo de ucraniano neste momento, a ameaça pode piorar muito, muito mais".
António Guterres
Secretário-geral da ONU

A Rússia obteve apoio apenas da Bielorrússia, Síria, Coreia do Norte e Eritreia o que, para quem defende esta resolução, é um sinal de que Vladimir Putin está cada vez mais isolado.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas tinha procurado condenar a invasão mas o veto da Rússia fez cair por a tentativa.