This content is not available in your region

Quase metade das espécies do planeta estão em risco de extinção

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Quase metade das espécies do planeta estão em risco de extinção
Direitos de autor  AFP

Até 48% das espécies vegetais e animais do mundo estão em alto risco de extinção devido às alterações climáticas. O problema já afeta metade da população mundial, especialmente no hemisfério Sul e em pequenas ilhas, refere o relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas, da ONU, (IPCC).

O documento explica que pelo menos 3,3 mil milhões de pessoas "são altamente vulneráveis às alterações climáticas" e 15 vezes mais suscetíveis de morrer devido a condições meteorológicas extremas; um grande número de pessoas está a ser deslocado devido ao agravamento dos extremos climáticos, e os pobres do mundo estão a ser, de longe, os mais duramente atingidos.

Os cientistas alertam para as terríveis consequências da inação. Debra Roberts, membro do painel e especialista em áreas urbanas e clima afirma: "Há que dizer que estas potenciais mudanças irreversíveis nos ecossistemas começam a minar a subsistência humana e por isso começamos a enfrentar uma ameaça existencial. Não apenas para a natureza, mas para as pessoas que dependem da natureza e isso traz-nos à nossa verdadeira descoberta, de que temos de lidar com estas duas coisas em simultâneo".

Segundo o relatório do Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas da ONU se o aquecimento global causado pelo homem não se limitar a apenas mais alguns décimos de grau, a Terra, atingida por calor mortal, incêndios, inundações e secas, vai degradar-se de 127 formas, sendo algumas "potencialmente irreversíveis".

Hoesung Lee, presidente do IPCC disse: "Este relatório é um aviso terrível sobre as consequências da inação (...) "Mostra que as alterações climáticas são uma ameaça grave e crescente ao nosso bem-estar e a um planeta saudável". As nossas ações de hoje irão moldar a forma como as pessoas se adaptam e a natureza responde aos crescentes riscos climáticos".

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, disse, por seu turno, que o relatório é um "atlas de sofrimento humano e uma acusação condenatória de liderança climática falhada".

O responsável da ONU também advertiu que "a nossa dependência contínua dos combustíveis fósseis torna a economia global e a segurança energética vulneráveis a choques e crises geopolíticas", numa alusão à guerra em curso na Ucrânia.