EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Guerra na Ucrânia, dia 7: Assembleia Geral da ONU aprova condenação à invasão russa

Kharkiv sob fogo cerrado
Kharkiv sob fogo cerrado Direitos de autor SERGEY KOZLOV/EPA
Direitos de autor SERGEY KOZLOV/EPA
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cidades de Kharkiv e Mariupol estão sob ataque cerrado mas continuam nas mãos da Ucrânia

PUBLICIDADE

(em atualização)

A Assembleia Geral da ONU aprovou por esmagadora maioria uma resolução que condena a invasão da Ucrânia por parte da Rússia e apela à retirada das tropas russas do território ucraniano. A resolução não é vinculativa, no entanto espelha bem o crescente isolamento de Moscovo a nível internacional.

A resolução, assinada por 94 estados-membros, "deplora nos mais fortes termos a agressão da Federação Russa contra a Ucrânia", pedindo aos russos que "cessem imediatamente o uso de força" e "retirem imediatamente, completamente e incondicionalmente todas as suas forças militares" do território ucraniano.

Foi aprovada com os votos favoráveis de 141 estados-membros, tendo-se registado ainda 35 abstenções e cinco votos contra (Rússia, Bielorrússia, Coreia do Norte, Eritreia e Síria).

A rara sessão de emergência da ONU (primeira desde 1997 e apenas a 11.ª na história da organização) deveu-se ao chumbo de uma resolução semelhante no Conselho de Segurança, na sexta-feira passada. A Rússia, sendo um dos cinco países com direito de veto, bloqueou a resolução provocando uma situação de impasse no Conselho de Segurança.

Antes da votação, o embaixador da Ucrânia na ONU, Sergiy Kyslytsya, acusou a Rússia de querer negar o direito de existir à Ucrânia. Já o seu homólogo russo, Vassily Nebenzia, justificou-se dizendo que o seu país estava apenas a tentar terminar o conflito separatista em curso na região.

Moscovo admite 498 mortes, Kiev garante que são seis mil

O ataque da Rússia já matou mais de dois mil civis na Ucrânia. O número foi avançado pelo serviço de urgências ucraniano, que avisou no entanto tratar-se de uma estimativa, uma vez que não sabiam ainda quantas pessoas se encontram ainda soterradas pelos escombros. O serviço de urgências revelou que nos sete dias de invasão russa, tinham sido destruídas centenas de infraestruturas de transportes, jardins-de-infância, hospitais e edifícios residenciais no país.

O comunicado refere ainda que conseguiram salvar a vida a 150 pessoas e que neutralizaram mais de quatro centenas de engenhos explosivos.

O número de vítimas desta guerra não pára de crescer e se do lado ucraniano, ainda se vão conhecendo os números de vítimas, do lado russo o segredo é absoluto. De acordo com o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, Vladimir Putin é informado das perdas no exército russo mas o Kremlin não pode avançar o número, uma vez que só o Ministério da Defesa o pode fazer.

Já o Ministério da Defesa, que até agora se tinha remetido ao silêncio, avançou esta quarta-feira pela primeira vez com um número de baixas nas Forças Armadas russas. O comunicado refere que a ofensiva militar custou até ao momento a vida a 498 soldados russos, número que está bem distante dos seis mil anunciados por Volodymyr Zelenskyy. O Presidente da Ucrânia divulgou um vídeo onde afirma que os primeiros seis dias de guerra tinha provocado a morte de seis mil soldados das forças invasoras.

Rússia controla central nuclear de Zaporizhzhia

A central nuclear de Zaporizhzhia caiu nas mãos dos russos. A informação foi confirmada pelo diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, Rafael Grossi, que referiu ter recebido uma comunicação da missão permanente da Rússia na organização em que os russos diziam controlar o território onde se encontrava a central nuclear.

O organismo sediado em Viena garantiu ainda que os russos se comprometiam a "trabalhar para assegurar segurança nuclear e monitorizar a radiação como habitual", acrescentando ainda que "os níveis de radiação permaneciam normais".

A central de Zaporizhzhia é a maior da Ucrânia e é aí que se encontram seis dos 15 reatores nucleares existentes no país. A Agência Internacional de Energia Atómica sublinha que irá continuar a monitorizar a situação de perto.

Principais cidades sob fogo cerrado

Ao sétimo dia de ofensiva militar, as principais cidades da Ucrânia continuam a resistir às forças russas. Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, foi intensamente bombardeada durante a noite. De acordo com as autoridades ucranianas, na madrugada de quarta-feira alguns pontos da cidade foram atingidos por mísseis russos, nomeadamente a sede do departamento de polícia e a universidade.

A Ucrânia revelou ainda que na calada da noite aterraram na cidade vários paraquedistas russos que atacaram em seguida uma unidade hospitalar.

O nascer do dia em Kharkiv não trouxe tranquilidade e de acordo com as autoridades ucranianas, continuaram os ataques russos ao centro da cidade. O serviço de urgências ucraniano adianta que a sede da autarquia local e vários dos edifícios mais altos da cidade foram danificados por ataques russos já na manhã de quarta-feira.

Para Volodymyr Zelenskyy, os ataques das forças russas são de terrorismo de Estado:

Não sabem nada sobre a nossa capital ou a nossa história mas têm ordens para apagar a nossa história. Apagar o nosso país. Apagar-nos a todos
Volodymyr Zelenskyy
Presidente da Ucrânia

O Presidente ucraniano criticou ainda duramente o bombardeamento do memorial de Babi Yar, que homenageia as vítimas do Holocausto em Kiev, e que se situa junto à torre da televisão local, destruída na terça-feira.

PUBLICIDADE

As principais cidades do país continuam nas mãos da Ucrânia, mas os russos não desarmam. O Kremlin anunciou que as Forças Armadas russas tinham tomado o controlo da cidade de Kherson, no sul do país, mas o autarca local não demorou a contradizer as informações avançadas pelos russos, esclarecendo que as forças invasoras apenas controlavam a estação ferroviária e o porto fluvial.

Na cidade portuária de Mariupol, no sul do país, a ofensiva russa não dá tréguas aos resistentes e dura há 12 horas. O presidente da Câmara local, Vadym Boichenko, em entrevista à televisão ucraniana, acusou as forças russas de não permitirem a saída de civis da cidade e referiu que os bombardeamentos eram tão intensos que já nem conseguiam retirar os feridos das ruas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia no centro do Estado da União de Biden

Quais as reais possibilidades de adesão da Ucrânia à União Europeia?

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa