This content is not available in your region

"Temos de continuar e eu já vivi o suficiente. Não tenho medo", diz residente de Kiev

Access to the comments Comentários
De  Anelise Borges  & com tradução de Francisco Marques
euronews_icons_loading
Casal passeia o filho de seis meses junto a uma barricada em Kiev
Casal passeia o filho de seis meses junto a uma barricada em Kiev   -   Direitos de autor  AP Photo/Rodrigo Abd

Mais um dia, mais um bombardeamento numa zona residencial de Kiev, mais mortos, mais feridos, mas ainda assim há quem ainda consiga desfrutar a ida a um café como antes da guerra ou quem simplesmente passeie pela cidade.

A enviada especial da Euronews à capital da Ucrânia andou pela cidade e descobriu alguns residentes que resistem ao medo dos bombardeamentos das forças afetas ao Kremlin. Outros só querem amaldiçoar os invasores. Um em especial.

A jornalista Anelise Borges esteve de manhã junto a um bloco de apartamentos residenciais, mais um, alvo de mísseis russos. As autoridades dizem ter morrido uma pessoa no local onde estivemos e que dezenas ficaram feridas.

Anna, uma residente de Kiev já com 81 anos e muita vida para contar, diz à nossa repórter que os invasores "bombardearam tudo". "Os russos são nossos irmãos, mas bombardearam-nos", diz, contando ter visto "três ambulâncias" junto do prédio alvejado.

Uma outra mulher, sem se identificar, dizia-nos ter ficado sem palavras. "Apenas os quero amaldiçoar. Em especial, o Putin", destacou.

Na última semana, Kiev foi alvejada muitas vezes com artilharia pesada, mas os residentes que se mantém na capital estão a fazer o melhor para se aguentarem e alguns até parecem começar a habituar-se a este novo normal da cidade: as bombas.

Caminhando pelas ruas da caital, Anelise Borges cruza-se com um rapaz de um serviço de entregas que continua a trabalhar enquanto se ouvem as bombas a cair não muito longe. "Por estes dias, as pessoas têm encomendado cigarros e comida para gatos", contou este entregador à nossa jornalista.

Depois, Anelise Borges cruza-se com Eugene, um idoso que caminha tranquilamente pela rua.

"Porque anda pela cidade? Não é perigoso?", questiona a jornalista da Euronews.

"Temos de continuar e eu já vivi o suficiente. Não tenho medo", responde o ucraniano, com um estranho sorriso a colorir-lhe a face rosada.

Numa estação de metro de Kiev, encontrámos várias pessoas a abrigarem-se após soar mais uma sirene de alerta para ataques aéreos.Outras estão por ali simplesmente à espera do metro seguinte.

"O serviço tem sofrido perturbações, mas alguns transportes públicos surpreendentemente ainda funcionam", constata a nossa enviada especial.

Tal como alguns cafés como o “Buena Vista Bar”, no centro da cidade, ainda a servir os clientes apesar de a guerra estar ali tão perto.

"Muitos jornalistas vêm aqui. Muitos residentes locais também. Ficam todos surpreendidos por estarmos abertos e por poderem vir aqui tomar um café como faziam antes antes da guerra. É como se regressassem a esses tempos e agora até vamos começar também a fazer croissants. Vamos ter um forno e ainda vai ser mais confortável vir aqui", conta-nos Eugene Petrichenka, de trás do balcão.

É um novo normal que parece emergir lentamente na capital da Ucrânia, onde a violência da guerra está cada vez mais presente na vida daqueles que insistem em continuar a viver na cidade apesar do risco que agora enfrentam todos os dias.