This content is not available in your region

Zelenskyy lamenta destruição de Mariupol, separatistas falam em "libertação"

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
euronews_icons_loading
Zelenskyy lamenta destruição de Mariupol, separatistas falam em "libertação"
Direitos de autor  AP/Satellite image ©2022 Maxar Technologies

"Não resta nada de Mariupol." As palavras de Volodymyr Zelenskyy são ilustradas pelas imagens do aeroporto da cidade divulgadas pela televisão russa. A república autoproclamada de Donetsk reivindica o controlo de metade da cidade, ou nas suas próprias palavras, "50% do território foi libertado".

As imagens de satélite não mostram libertação, mas sim destruição. O cenário é desolador e, de acordo com o Presidente ucraniano, "restam na cidade 100 mil pessoas em condições desumanas" e sob "bombardeamentos constantes". Zelenskyy disse ainda que esta terça-feira as forças invasoras tinham capturado um comboio humanitário que tentava deixar Mariupol e que, apesar das dificuldades, mais de sete mil pessoas tinham conseguido sair da cidade.

A Procuradora Geral da Ucrânia diz que há prova de um genocídio em curso e que Mariupol "é uma cidade refém" onde é "impossível fazer chegar comida, água, eletricidade". Para Iryna Venediktova, "a Federação Russa sabe bem o que está a fazer aqui".

A única cidade relevante sob comando da Rússia é Kherson, onde se têm registado ações de protesto da população local. As forças russas não hesitam em recorrer às armas para dispersar a multidão e, segundo um denunciante do Serviço Federal de Segurança russo, o Kremlin tem planos para deter os manifestantes e transportá-los para a Rússia à força.

As separações forçadas são uma triste realidade da guerra. Em Odessa, enquanto mulheres e crianças partem para segurança, os homens ficam para trás a defender a cidade dos russos, proporcionando momentos de quebrar o coração.