Governo ucraniano diz a civis para saírem do Leste do país

Coluna de autocarros da Cruz Vermelha com deslocados de Mariupol
Coluna de autocarros da Cruz Vermelha com deslocados de Mariupol Direitos de autor ICRC via AP/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Kiev acredita que Exército russo está a preparar uma ofensiva em larga escala na região do Donbass

PUBLICIDADE

O governo ucraniano apelou a população do Leste do país para sair da região "imediatamente", face ao risco crescente de uma ofensiva em larga escala do Exército russo, que assumiu a conquista do Donbass como prioridade número um.

As autoridades ucranianas continuam a recolher indícios de atrocidades cometidas pelas forças russas nos arredores de Kiev, à medida que as tropas do Kremlin retiram de localidades que estiveram sitiadas durante semanas. 

Os peritos acreditam que o Exército russo poderá tardar uma semana a reposicionar-se para um grande assalto sobre o Leste da Ucrânia.

Várias localidades das regiões de Donetsk e Lugansk estiveram sob bombardeamentos intensos esta quarta-feira e as autoridades temem uma situação semelhante à da cidade de Mariupol.

O presidente Volodymyr Zelenskyy acusou a Rússia de bloquear o acesso humanitário à cidade do sudeste do país, cercada e bombardeada há várias semanas, para dissimular "milhares" de vítimas.

As autoridades locais afirmam que os bombardeamentos russos já fizeram mais de 5000 mortos civis em Mariupol.

Ontem, uma coluna de sete autocarros e dezenas de veículos privados, dirigida pela Cruz Vermelha, conseguiu chegar a Zaporíjia, com cerca de 1000 pessoas provenientes de Mariupol. 

Segundo testemunhos recolhidos pelo Comité Internacional da Cruz Vermelha, muitas saíram da cidade a pé, aproveitando uma pausa nos combates e bombardeamentos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Evacuação da região de Donbass controlada pela Ucrânia prossegue sob as bombas

Um morto e doze feridos em ataque russo a Poltava na Ucrânia

Kremlin diz que ataque à central nuclear de Zaporíjia é "provocação perigosa" da Ucrânia