This content is not available in your region

Djokovic contra afastar russos e bielorrussos de Wimbledon

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Número 1 mundial não concorda com direção do torneio de wimbledon
Número 1 mundial não concorda com direção do torneio de wimbledon   -   Direitos de autor  Darko Vojinovic/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

Novak Djokovic está contra a decisão da direção do torneio de Wimbledon, em Inglaterra, de recusar as inscrições de tenistas russos e bielorrussos, por causa da invasão da Ucrânia perpetrada pela Rússia.

A medida impede assim que tenistas como o russo Daniil Medvedev, o número dois mundial, ou a bielorrussa Victoria Azarenka, antiga líder da lista da WTA, participem no terceiro Grand Slam da temporada.

O sérvio Djokovic, e número 1 mundial, defende que não se deve misturar política com desporto.

"Vou sempre condenar a guerra. Nunca apoiarei a guerra, sendo eu mesmo um filho da guerra. Eu sei quanto trauma emocional ela deixa. Na Sérvia, todos nós sabemos o que aconteceu em 1999. Nos Balcãs, tivemos muitas guerras, nos últimos anos, e as pessoas comuns são as que mais sofrem. No entanto, não posso apoiar a decisão de Wimbledon. Acho uma loucura. Os jogadores, os tenistas, os desportistas não têm nada a ver com isso. Quando a política interfere no desporto, o resultado nunca é bom", conclui.

O torneio de Wimbledon decorre em Londres de 27 de junho a 10 de julho. A decisão de afastar russos e bielorrussos não é inédita no desporto, já aconteceu, por exemplo, nos Jogos Paralímpicos de Inverno e na Fórmula 1.