EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

ONU apela à criação de "alternativas" às perigosas rotas marítimas usadas pelos requerentes de asilo

Migrantes no Mediterrâneo
Migrantes no Mediterrâneo Direitos de autor AP Photo/Santi Palacios
Direitos de autor AP Photo/Santi Palacios
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Mais de três mil migrantes morreram ou desapareceram enquanto tentavam chegar à Europa por mar, no ano passado.

PUBLICIDADE

Mais de três mil migrantes morreram ou desapareceram enquanto tentavam chegar à Europa por mar, em 2021, de acordo com a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

O número de mortes, no ano passado, (3077 óbitos) é duas vezes superior ao de 2020, de acordo com o último relatório da ACNUR.

A ONU apela aos governos para que desenvolvam "alternativas" às perigosas rotas marítimas usadas pelos requerentes de asilo que desesperam por chegar à Europa.

"Deste total, 1924 pessoas foram dadas como mortas ou desaparecidas nas rotas do Mediterrâneo central e ocidental", afirmou a porta-voz do ACNUR, Shabia Mantoo.

"E há ainda 1153 pessoas que morreram ou desapareceram na rota marítima do noroeste de África para as Ilhas Canárias", acrescentou a responsável.

O impacto da pandemia e do encerramento das fronteiras

No final de 2020, a agência da ONU tinha registado 1544 mortes de migrantes nas duas rotas marítimas.

Segundo a ACNUR, nos primeiros meses de 2022, há registo da morte ou desaparecimento de, pelo menos, 478 pessoas.

De acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, a pandemia de Covid-19 e os encerramentos de fronteiras tiveram um impacto nos fluxos migratórios. Muitos refugiados e migrantes recorreram a contrabandistas para tentarem chegar à Europa.

Rotas terrestres também são perigosas

No ano passado, mais de 53 mil pessoas chegaram por mar a Itália e 23 mil pessoas chegaram às Ilhas Canárias de Espanha igualmente por via marítima. Em 2021, registou-se um aumento de 61% nas partidas por mar da Tunísia, no ano passado, em comparação com 2020. O aumento foi de 150% na Líbia.

A maioria das travessias marítimas são feitas em barcos insufláveis em más condições, de acordo com o ACNUR.

"A viagem marítima dos Estados costeiros da África Ocidental, como o Senegal e a Mauritânia, para as Ilhas Canárias é longa e perigosa e pode demorar até 10 dias", referiu Mantoo numa conferência de imprensa em Genebra.

"Muitos barcos saíram da rota ou desapareceram sem deixar rasto", acrescentou a responsável.

O Mediterrâneo central é a rota de migração mais mortífera do mundo. Há registo de mais de 17 mil mortes e desaparecimentos desde 2014, segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

O ACNUR sublinha que as rotas terrestres também podem ser muito perigosas para os migrantes. Muitas pessoas terão morrido ao atravessar o deserto do Sara ou depois de terem sido mantidas em cativeiro e abusadas por traficantes ou contrabandistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Caos na receção de requerentes de asilo na Bélgica

Grécia abre novos centros de acolhimento de migrantes

Nova tragédia em dois naufrágios de barcos a caminho da Grécia