Eleições no estado alemão da Renânia do Norte Vestefália

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Cartazes da campanha eleitoral na Renânia do Norte Vestefália
Cartazes da campanha eleitoral na Renânia do Norte Vestefália   -   Direitos de autor  frame

O estado mais populoso da Alemanha, a Renânia do Norte Vestefália, vota este domingo em eleições regionais. 

Para além da governação regional, o resultado tem repercussões nacionais, num território com 18 milhões de habitantes.

O SPD tenta, neste estado sede de muitas empresas internacionais, uma vitória para governar em aliança com os Verdes e os liberais, como em Brelim,

Olaf Scholz mostrou-se ao lado do candidato, Thomas Kutschaty, mas a popularidade do chanceler tem vindo a cair.

O líder da CDU, Friedrich Merz, também veio apoiar o candidato, Hendrik Wuest , que tem como missão manter o estado nas mãos da CDU e continuar a governar o território. As sondagens têm dado um equilíbrio entre as duas forças políticas.

Bem posicionados estão os Verdes, que se espera venham a ser o partido charneira desta eleição. Os ecologistas têm capitalizado apoio com a participação no governo.

Aos liberais, por seu turno, a presença no governo de Berlim parece não ajudar, e esperam aqui um resultado em quebra relativamente a outras eleições.

A Renânia do Norte Vestefália foi dirigida no pós-guerra pelos democratas-cristãos da CDU antes de se ter tornado, ao longo de 40 anos, um bastião do SPD.

Nas últimas duas décadas, o estado tem sido governado em alternância entre a CDU e o SPD.

As expectativas são grandes, porque esta é uma eleição que tem sempre impacto em Berlim

No caso de uma vitória, a CDU teria de governar com os Verdes e, se necessário, com os Liberais, num país onde muitas constelações são possíveis.

A seguir ao excelente resultado do domingo, 8 de maio, em Schleswig-Holstein, a CDU, recuperou um pouco do fracasso histórico em setembro passado. Se ganhar aqui, o novo presidente do partido, Friedrich Merz, veria reforçada a sua posição como líder da oposição ao Chanceler Scholz.

Mas se a CDU perder, será também a derrota do seu presidente, natural da Renânia do Norte-Vestefália.