Zelenskyy sai de Kiev e demite Chefe de Defesa de Kharkiv

ap
ap Direitos de autor AP Photo/Francisco Seco
De  Euronews com AP, AFP, Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É a primeira vez que o presidente ucraniano sai da capital desde o início da ofensiva russa

PUBLICIDADE

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, demitiu o chefe da segurança de Kharkiv (no nordeste do país), porque "não trabalhava na defesa da cidade" desde o início da invasão russa.

“Vim, vi e demiti o chefe dos serviços de segurança da região [de Kharkiv], porque ele não trabalhava na defesa da cidade desde os primeiros dias desta guerra, só pensava em si mesmo”, afirmou.

O presidente Zelensky fez o anúncio na sua habitual mensagem de vídeo diária desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, e após a primeira visita ao leste do país.

Rússia avança no Donbass

A Rússia está a ganhar terreno na região do Donbass e depois de assumirem o controlo de Lyman, as tropas de Putin aproximam-se agora da cidade de Kramatorsk, 40 quilómetros a sul.

Também na região, o governador de Luhansk admitiu que nos próximos dias as tropas ucranianas podem ter que sair de Severodonetsk para evitar um cerco russo.

Em Kiev, há milhares de casas destruídas pela guerra. O governo local destinou 32 milhões de euros só para reconstruir esta zona, um terço do dinheiro que vai ser usado para reconstruir toda a região.

Viviam na capital ucraniana dois milhões de pessoas. Acredita-se que metade tenha fugido do conflito. Agora regressam, aos poucos.

Em Pokrovsk, Donetsk, são muitos os que decidem partir, depois de, na semana passada, a cidade ter sido atingida de mísseis russos.

A "Médicos sem Fronteiras" está desde março a ajudar a retirar pessoas com a ajuda de um comboio hospital, que parte todos os dias com dezenas de famílias.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Falta do trigo ucraniano afeta todo o mercado mundial

Guerra na Ucrânia: Zelenskyy pede mais ajuda militar

Os desafios da ajuda aos ucranianos na Eslováquia e na França