EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ex-jornalista da Euronews na mira de Moscovo

Dmitry Glukhovsky
Dmitry Glukhovsky Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Hoje em dia um popular autor de ficção científica, Dmitri Glukhovsky é procurado por ter criticado abertamente invasão da Ucrânia

PUBLICIDADE

Um ex-jornalista da secção russa da Euronews na mira de Moscovo: Dmitry Glukhovsky diz que não será silenciado pelo Kremlin, depois da Rússia o ter colocado numa lista de pessoas procuradas.

Hoje um popular autor de ficção científica, com livros vendidos em todo o mundo, Glukhovsky - que vive fora da Rússia - é alvo de acusações formais por parte das autoridades russas, depois de ter criticado abertamente a invasão da Ucrânia.

Dmitry Glukhovsky, escritor e ex-jornalista da euronews:

"O artigo pelo qual sou acusado e procurado é classificado de um artigo para descreditar o Exército russo, mas na verdade é um artigo acerca de censura militar e a perseguição política de pacifistas na Rússia.

Qualquer opinião distinta da informação e posição da propaganda russa é declarada ilegal e os que ousam levantar a voz arriscam 15 anos de prisão.

O texto no Instagram pelo qual sou acusado diz: 'Não à guerra na Ucrânia. Admitam que é uma guerra real contra todo o povo ucraniano e ponham-lhe um fim'.

Independentemente do que sou acusado, estou disposto a repetir integralmente estas palavras: 'Peço o fim imediato das hostilidades na Ucrânia e a retirada das tropas russas'. "

Desde que invadiu a Ucrânia, em Fevereiro, Moscovo tem mantido uma política de "tolerância zero" contra qualquer forma de dissidência, protestos públicos, meios de comunicação críticos ou figuras da oposição.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Detido segundo suspeito do desaparecimento do jornalista e guia na Amazónia

Familiares de soldados ucranianos em cativeiro protestam em Kiev

Despesas globais com armas nucleares continuam a aumentar