This content is not available in your region

Sinagogas do gueto de Veneza estão a ser restauradas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Sinagogas do gueto de Veneza estão a ser restauradas
Sinagogas do gueto de Veneza estão a ser restauradas   -   Direitos de autor  Chris Warde-Jones/AP

No gueto de Veneza, o primeiro criado na Europa e no mundo, estão a ser restauradas as três sinagogas do século XVI, as únicas sinagogas renascentistas ainda em uso.

O historiador de Arte, David Landau, especialista em arte renascentista, está a desenvolver campanhas de angariação de fundos para continuar os trabalhos que tiveram início há dois anos.

"Fiquei realmente profundamente ofendido com o estado das sinagogas [...], senti que as sinagogas estavam em muito mau estado, tinham sido alteradas até ficarem irreconhecíveis ao longo dos séculos, e precisavam de ser cuidadas e amadas".

Nos últimos dois anos os restauradores têm vindo a levantar camadas de tinta e outros materiais e a descobrir as características originais das sinagogas. Mas os trabalhos requerem grande investimento.

Dario Calimanil, líder da comunidade judaica de Veneza, refere: "As sinagogas são um meio para a vida religiosa, mas estamos envolvidos na reconstrução e restauração prática de monumentos que, enquanto pequena comunidade, não podemos realmente enfrentar".

Os trabalhos estendem-se aos edifícios próximos das sinagogas, para tornar o local no orgulho dos 450 judeus que vivem na cidade e um espaço ainda mais atrativo para os milhares de turistas que visitam Veneza.

David Landau conseguiu até agora cerca de 5 milhões de euros e espera que o processo de restauro esteja concluído até ao final de 2023, se o resto do financiamento for aprovado, já que os 4 milhões de euros originais passaram agora a 6 milhões, devido ao aumento dos custos de construção.

O gueto de Veneza data de 1516, quando a república forçou o número crescente de judeus a entrar no distrito onde as antigas fundições, ou "geti" como eram conhecidas, tinham sido localizadas. A área, que foi fechada à noite, tornou-se o que é considerado o primeiro gueto da Europa e continua a ser o centro da comunidade judaica de Veneza, na zona de Cannaregio.

A primeira sinagoga data de 1528 e foi construída por judeus alemães Ashkenazi. Outros seguiram-se e serviram diferentes grupos, incluindo um para judeus sefarditas espanhóis e outro para judeus italianos.

Nenhuma é visível da rua, uma vez que regras estritas impostas pelos governantes de Veneza não permitiam que os judeus praticassem a sua fé abertamente. Todas as sinagogas estão escondidas nos andares superiores de edifícios aparentemente normais que, nos níveis inferiores, ocupavam espaços apertados para as famílias judias.

As sinagogas têm permanecido operacionais continuamente, exceto durante os anos da Segunda Guerra Mundial, durante a ocupação alemã.

O chefe da comunidade judaica de Veneza, Dario Calimani, diz que "o projeto de restauração era necessário tanto para manter a vida religiosa e cultural dos judeus de Veneza hoje, como para preservar a história da comunidade".