This content is not available in your region

Opositor russo Ilya Yashin condenado a 15 dias de prisão

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Ilya Yashin, político russo da oposição
Ilya Yashin, político russo da oposição   -   Direitos de autor  AFP

O político russo da oposição, Ilya Yashin, foi condenado na terça-feira a 15 dias de prisão por um tribunal de Moscovo.

Foi detido na segunda-feira à noite num parque da cidade e está acusado de ter agarrado e insultado um agente.

A versão de Yashin é de que a polícia se aproximou enquanto ele estava sentado num banco com uma amiga e exigiu que ele fosse com eles, sem explicações.

Ilya Yashin disse em tribunal que as razões da sua detenção eram políticas, sendo uma delas as eleições municipais que começaram em Moscovo no domingo passado.

O seu advogado, Mikhail Biryukov, fala de inúmeras detenções políticas: "Agora, quase todos os dias, em Moscovo, há detenções de ativistas e deputados municipais que, ou querem participar nas eleições municipais, ou apoiar os seus candidatos. Estou praticamente todos os dias em julgamentos e detenções, e acredito que talvez os três fatores se sobreponham, mas, em maior medida, acredito que a sua detenção e prisão administrativa estão ligadas ao receio das autoridades de que ele se possa envolver e apoiar a campanha eleitoral municipal, e a sua palavra tem bastante peso para os eleitores de Moscovo".

Recurso apresentou também o advogado do líder da oposição Alexei Navalny, sem sucesso.

O representante de Navalny viu rejeitado o recurso em que pedia para serem declaradas ilegais as ordens que impediam os advogados de transportarem computadores portáteis, gravadores de voz ou telemóveis para uma sessão aberta do tribunal, na prisão de Pokrov, onde Alexei Navalny está detido.

Navalny foi preso em janeiro de 2021 ao regressar da Alemanha, onde foi salvo e recuperou de um envenenamento por agentes nervosos, do qual culpa as cúpulas russas do poder.

A sua prisão faz parte da política de repressão do Kremlin contra ativistas da oposição e jornalistas independentes.