Registo de armas de fogo cresce em flecha sob Bolsonaro

Armas apreendidas para destruição no Brasil (imagem de arquivo)
Armas apreendidas para destruição no Brasil (imagem de arquivo) Direitos de autor DOUGLAS MAGNO/AFP or licensors
De  Rodrigo Barbosa com LUSA / AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Brasil concentrou, em 2020, um quinto dos homicídios intencionais registados no planeta

PUBLICIDADE

O número de autorizações de porte de armas de fogo no Brasil multiplicou praticamente por seis entre 2018 e 2022, período durante o qual o governo de Jair Bolsonaro aliviou as regras na matéria.

Os dados são avançados no anuário da ONG Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que revela um aumento de 573,6% no número de certificados de registos ativos de caçadores, atiradores e colecionadores.

E, se o relatório da ONG constata, no ano passado, uma redução no número diário de homicídios no país, para 130 - o valor mais baixo em 10 anos -, essa diminuição esconde outra realidade, segundo o presidente do Fórum, Renato Sérgio Lima:

"O Brasil em 2021 teve uma boa noticia: é a reduçao de 6,5% das mortes violentas intencionais, dos homicidios. Mas essa boa noticia esconde na verdade uma realidade extremamente perversa que é que o Brasil responde por 1 em cada 5 mortes no planeta em 2020, segundo os dados do escritorio da ONU para crimes e drogas."

euronews
Número de vítimas de homicídios intencionais no Brasil em 2020, em comparação com o resto do mundoeuronews

O relatório revela ainda que a violência tem crescido sobretudo na região norte do Brasil, onde está localizada a floresta amazónica e que a segunda área menos populosa do país, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com 18,9 milhões de habitantes.

Editor de vídeo • Rodrigo Barbosa

Outras fontes • Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Povo armado jamais será escravizado"

EUA mais perto da proibição de armas semi-automáticas

Homem absolvido depois de 33 anos preso