Mario Draghi deixa Itália em suspense com ameaça de demissão

Mario Draghi, primeiro-ministro de Itália
Mario Draghi, primeiro-ministro de Itália Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro italiano poderá demitir-se esta quarta-feira., após debate parlamentar.

PUBLICIDADE

A crise política aberta pela demissão de Mario Draghi está a deixar Itália em suspense. Após o desentendimento com o Movimento 5 Estrelas, o primeiro-ministro italiano deve decidir esta quarta-feira se permanece no cargo.

Mas para que tal aconteça, Draghi terá primeiro de medir o pulso ao parlamento e perceber se união que até agora sustentou o governo de unidade nacional continua unida.

Gaetano Azzariti, professor de Direito Constitucional na Universidade La Sapienza de Roma, acredita que "se, após o discurso do primeiro-ministro no Parlamento e o debate parlamentar,a união for novamente alcançada, isto é, uma nova paz entre todos os partidos que apoiam o atual governo, o governo pode continuar, não direi como se nada acontecesse, mas ainda assim tendo encontrado uma nova força". 

No entanto, apesar de para o especialista, esta  primeira hipótese ser "a melhor para o governo" é "talvez a menos provável".

De acordo com Azzariti, "a segunda hipótese é essa união não ser alcançada, mas os motivos para as dissidências serem de alguma forma esclarecidos - esse é aliás o objetivo do debate parlamentar - e, nesse momento, é provável que a demissão do governo seja confirmada. Aí a bola volta então ao Presidente da República, que terá de decidir se dissolve diretamente o parlamento ou se faz novas tentativas para encontrar um novo governo. Esta última hipótese de um novo governo é improvável, mas continua a ser o Chefe de Estado a decidir o que fazer".

Se este cenário se concretizar, os italianos terão de voltar em breve às urnas, pois "caso Draghi se demita e confirme a demissão", o presidente Sergio Mattarella vai provavelmente "acelerar muito as coisas e é previsível que, se for resolvido rapidamente", as eleições de onde vai sair o próximo governo de Itália se realizem "no início de outubro, provavelmente domingo, dia 2 de outubro".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

PM italiano define condições para permanecer no cargo

PM italiano alerta sobre possível crise energética no país

Emmanuel Macron quer resposta política para os motins