EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia em operação diplomática no Egito

Lavrov procura apoio junto dos países africanos
Lavrov procura apoio junto dos países africanos Direitos de autor AP/ Russian Foreign Ministry Press Service
Direitos de autor AP/ Russian Foreign Ministry Press Service
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sergei Lavrov nega ter provocado crise alimentar mundial.

PUBLICIDADE

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, lança uma operação diplomática no Egito. Sergei Lavrov, rejeita acusações que Moscovo terá provocado a atual crise alimentar mundial devido ao conflito na Ucrânia - que a Rússia continua a apelidar como sendo uma "operação militar especial".Dirigindo-se aos embaixadores da Liga Árabe no Cairo, Lavrov disse que os países ocidentais estão a distorcer a realidade.

O chefe da diplomacia russa quis tranquilizar as autoridades egípcias em relação aos fornecimentos de cereais da Rússia e quanto ao impacto das sanções na segurança alimentar global. No ano passado, o Egipto comprou 80% do trigo à Rússia e à Ucrânia. Mas a invasão russa afetou os portos ucranianos e perturbou os carregamentos de cereais. As forças russas no Mar Negro bloquearam toneladas de grãos, agravando ainda mais os problemas nas cadeias de abastecimento.

Na semana passada foi alcançado um acordo para a retoma das exportações de cereais bloqueados na Ucrânia, mas pouco depois a Rússia lançou ataques com mísseis contra o porto ucraniano de Odessa. As forças russas dizem ter destruído um navio militar ucraniano e uma série de mísseis fornecidos pelos EUA. Esta passagem de Sergei Lavrov por vários países africanos pretende reunir apoio em relação à investida militar na Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo com mísseis faz seis mortos em subúrbio de Kharkiv

Guerra na Ucrânia: dez mil pessoas obrigadas a abandonar Kharkiv

Putin diz que não quer tomar cidade de Kharkiv