EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA condenam ataques da China a Taiwan. Pequim aplica sanções a Pelosi

Jato chinês abandona território continental em direção a Taiwan
Jato chinês abandona território continental em direção a Taiwan Direitos de autor Ng Han Guan/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Ng Han Guan/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

China anuncia sanções à líder do Congresso norte-americano e familiares próximos, na sequência da visita a Taiwan. Taipé e EUA denunciam mais de uma dezenas de mísseis disparados por Pequim ao largo da ilha.

PUBLICIDADE

O ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, anunciou um pacote de sanções a Nancy Pelosi e familiares próximos, na sequência da visita da líder do Congresso norte-americano a Taiwan, esta quarta-feira. 

Pequim considera que a atitude de Pelosi foi "mal-intencionada" e "provocatória", ao menosprezar as preocupações e clara objeção do país à presença da delegação norte-americana na ilha cujo controlo é reclamado pelas autoridades chinesas.

Manobras militares intensificam-se ao largo de Taiwan

A China terá lançado mais de uma dezena de mísseis balísticos ao largo de Taiwan, após a visita de Nancy Pelosi à ilha, esta quarta-feira. A Casa Branca condenou os ataques, mas não se mostra surpreendida e diz que Pequim está a "exagerar". 

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional norte-americano, John Kirby, disse, em conferência de imprensa, esta quinta-feira, que Washington já estava à espera de uma reação à viagem de Nancy Pelosi ao território e que "a .China optou por exagerar e usar a visita de Pelosi como pretexto para aumentar a atividade militar provocatória no Estreito de Taiwan e nas imediações".

Kirby avisou ainda que Pequim não vai ficar por aqui, mas que os Estados Unidos da América (EUA) estão preparados e não se deixam intimidar.

"Não vamos procurar, nem queremos uma crise. [Mas], ao mesmo tempo, não seremos dissuadidos de operar nos mares e nos céus do Pacífico Ocidental, de acordo com o direito internacional que temos há décadas, apoiando Taiwan e defendendo uma região indo-pacífica livre e aberta", afirmou.

Já esta sexta-feira, Taipé denuncia ter avistado navios e aviões chineses sobre águas taiwanesas. Os EUA  prometem acompanhar as manobras militares de perto e, de acordo com a Casa Branca, vão manter os porta-aviões e navios de escolta norte-americanos na região para "acompanhar a situação".

Atualmente em Tóquio, Japão, para a última etapa da deslocação à Ásia, Nancy Pelosi mantém o apoio a Taiwan. Numa reação às recentes operações militares de Pequim, a líder do Congresso norte-americano garante que os EUA "não vão permitir que [a China] isole Taiwan".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE "preocupada" com nova lei americana para aquisição de carros elétricos

China castiga Taiwan após visita de Pelosi

EUA "não vão abandonar Taiwan", garante Nancy Pelosi