Europa bate recordes de área queimada

Incêndios marcam verão de 2022 na Europa
Incêndios marcam verão de 2022 na Europa Direitos de autor AFP TV
Direitos de autor AFP TV
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Europa bate recordes de área queimada num contexto de ondas de calor e fraca precipitação.

PUBLICIDADE

Este verão, a Europa bate recordes em termos de área queimada num contexto de ondas de calor e seca generalizada.

Em Portugal, esta segunda-feira, mais de seiscentos bombeiros foram mobilizados para combater o incêndio que lavra há vários dias na serra da Estrela.

Espanha é um dos países com mais área queimada

A nível europeu, este ano, Espanha é um dos países com mais área queimada. Na província de Ávila, no centro do país, os bombeiros continuavam mobilizados esta terça-feira para evitar o recomeço dos incêndios.

Os maiores fogos deste ano em Espanha ocorreram na região de Castela e Leão na fronteira com os distritos portugueses de Bragança e Guarda.

Três mil pessoas obrigadas a sair das casas e parques de campismo no sul de França

No sul de França, três mil pessoas foram obrigadas a abandonar as casas e os parques de campismo.

Os bombeiros atearam fogos para travar a contenção das chamas através da técnica do contra-fogo.

Este ano, o verão em França tem sido excepcionalmente quente e seco. Em todo o território há restrições ao uso de água.

Incêndios gigantescos na Sibéria Ocidental

Na Rússia, há incêndios gigantescos desde o mês de março na região da Sibéria ocidental.

No ano passado, a época dos fogos foi descrita pelas autoridades russas como a pior de que há registo e, este ano, ainda antes do verão a Sibéria já tinha batido recordes ao nível da área queimada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Autoridades e silvicultores franceses procuram origem dos incêndios

Milhares de pessoas resgatadas das inundações no sul da Sibéria

Incêndio num dos mais antigos edifícios de Copenhaga terá destruído séculos de património cultural