EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ártico aquece cerca de quatro vezes mais depressa do que o resto do planeta

Glaciares
Glaciares Direitos de autor Gian Ehrenzeller/' KEYSTONE / Gian Ehrenzeller
Direitos de autor Gian Ehrenzeller/' KEYSTONE / Gian Ehrenzeller
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Novo valor avançado pelos investigadores é quase o dobro do que estava estimado.

PUBLICIDADE

Nos últimos quarenta anos, o Ártico aqueceu cerca de quatro vezes mais depressa do que a média do resto da terra.

Já se sabia que a velocidade de aquecimento no Ártico era superior à média. Mas o valor avançado pelos investigadores num estudo publicado na revista Communications Earth & Environment, do grupo Nature, é quase o dobro da estimativa anterior.

Nos glaciares dos Alpes, recentemente, foram descobertos vários esqueletos de alpinistas, algo que deverá tornar-se mais frequente no futuro próximo.

"O aquecimento global é visível. Podemos observá-lo. Os glaciares estão a diminuir cada vez mais depressa. Isso é óbvio. Há mais gente a frquentar os glaciares de há algumas décadas para cá e, penso que, a partir de agora, vamos recuperar muito mais coisas do que no passado", afirmou Robert Bolognesi, investigador franco-suíço especializado no estudo da neve.

Estudos recentes mostram que os glaciares dos Alpes podem estar a perder as maiores quantidades de cobertura em pelo menos 60 anos. De acordo com os cientistas, os modelos científicos só previam esses valores para daqui a algumas décadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas encontram “vírus zombie” preso há 48.500 anos no permafrost

Expansão de mina no Ártico leva cidade de Kiruna a mudar de local

Expansão russa debatida na cimeira do Conselho do Ártico