This content is not available in your region

Morreu a atriz grega Irene Papas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Irene Papas numa conferência de imprensa no Festival de Cinema de Cannes, em 1979
Irene Papas numa conferência de imprensa no Festival de Cinema de Cannes, em 1979   -   Direitos de autor  Uncredited/Copyright 1979 The Associated Press. All rights reserved

Morreu a atriz grega, Irene Papas. 

Tinha 96 anos. A sua morte foi anunciada pelo ministério grego da Cultura

Com uma carreira de mais de 50 anos, a atriz ficou conhecida internacionalmente por filmes como "Os Canhões de Navarone" e "Zorba, o Grego" e pelas interpretações de clássicos da tragédia grega como "Antígona", "Electra", e "Efigénia".

Nascida em 1926, numa povoação próxima de Corinto, viveu em Atenas desde os sete anos e aos 15 deu início à carreira como atriz, cantora e dançarina.

A sua mãe era professora, e o seu pai ensinava teatro clássico. 

Papas era fascinada pela representação desde tenra idade e cedo atraiu as atenções de importantes cineastas americanos e se tornou um grande nome para os produtores de Hollywood.

Atuou em mais de 70 filmes, mas a sua fama não foi catapultada para o palco internacional até às atuações em “Os canhões de Navarone” (1961), “Elektra” (1962) e “Zorba, o Grego” (1964).

Embora o seu primeiro filme americano, "O Homem do Cairo", tenha sido pouco impressionante, ela rapidamente subiu nas fileiras em termos de produções. Em "Tributo a um Homem Mau" (1956), interpretou a protagonista feminina, Jocasta Constantine, ao lado de James Cagney.

Começou então a assumir papéis maiores em filmes de grande sucesso. Infelizmente, apesar do sucesso comercial dos filmes em que Papas estava envolvida, ela era constantemente mal paga e estava frequentemente desempregada; para "Zorba, o Grego", recebeu apenas 10.000 dólares, e não conseguiu encontrar um papel durante dezoito meses após a sua aparição no filme.

A fama não a salvou do exílio. Em 1967 recusou viver sob a ditadura militar que surgia na Grécia e partiu primeiro para Itália e depois para Nova Iorque, juntamente com outros artistas.

Durante o exílio, tanto em Roma como em Hollywood, prosseguiu com o seu trabalho de atriz e colaborou com realizadores como Franco Zeffirelli, Franco Rossi e Costas Gavras.

Irene Papas foi, talvez, uma das mais importantes atrizes gregas da sua geração.

**Não era vista em público há cerca de uma década, após o diagnóstico da doença de Alzheimer.
**