This content is not available in your region

Xi Jinping apela a Putin a liderar em conjunto mundo em mudança

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Vladimir Putin e Xi Jinping participam da cimeira da Organização para a Cooperação de Xangai, em Samarcanda, no Uzbequistão
Vladimir Putin e Xi Jinping participam da cimeira da Organização para a Cooperação de Xangai, em Samarcanda, no Uzbequistão   -   Direitos de autor  Alexandr Demyanchuk/Copyright 2022 Sputnik

Separados à mesa, mas unidos por uma amizade "sem limites" e contra a hegemonia americana.

Em Samarcanda, no Uzbequistão, o presidente russo, Vladimir Putin, e o homólogo chinês, Xi Jinping, reuniram-se pela primeira vez, cara-a-cara, desde o início da guerra na Ucrânia.

Pequim deixou claro que entende os motivos que levaram a Rússia a lançar a "operação militar especial", o que foi música para os ouvidos de Putin.

"Agradecemos muito a posição equilibrada dos nossos amigos chineses em relação à crise na Ucrânia", disse o presidente russo.

Ao amigo Xi Jinping, Vladimir Putin levantou a ponta do véu sobre a mensagem que vai passar, esta sexta-feira, durante a cimeira de chefes de Estado da Organização para a Cooperação de Xangai (SCO no acrónimo em inglês).

"As tentativas para criar um mundo unipolar assumiram recentemente uma forma absolutamente feia e são completamente inaceitáveis", lembrou o presidente russo.

Já Xi Jinping evocou as tensões em Taiwan e deixou uma mensagem clara às forças de desestabilização. Apelou ao homólogo russo a liderar em conjunto um mundo em mudança: "perante um mundo, era e história em constante mudança, a China está disposta a fazer esforços juntamente com a Rússia para assumir o papel de grandes potências e desempenhar um papel orientador para injetar estabilidade e energia positiva em um mundo abalado pela turbulência social."

O presidente russo também teve encontros bilaterais com outros líderes de países da Organização para a Cooperação de Xangai, como o Turcomenistão ou o Quirguistão.

Especialistas dizem que a organização nasceu para contrabalançar a influência dos EUA no mundo.

Na cimeira desta sexta-feira, discute-se o pedido adesão do Irão ao grupo de segurança geopolítica regional.

Putin deve encontrar-se com os líderes do Azerbaijão, Índia e Turquia.