Rússia retalia contra ataque na Crimeia

Vladimir Putin, presidente da Ucrânia
Vladimir Putin, presidente da Ucrânia Direitos de autor GAVRIIL GRIGOROV/AFP
De  Oleksandra VakulinaEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fique a par dos mais recentes avanços militares na Ucrânia.

PUBLICIDADE

A Rússia lançou uma onda massiva de bombardeamentos contra cidades da Ucrânia em resposta a um ataque à Ponte de Kerch, que liga a Rússia à Crimeia anexada.

O Presidente russo, Vladimir Putin, assumiu a autoria dos ataques contra uma série de locais, mais uma vez culpando a Ucrânia pelo ataque à Ponte de Kerch, descrevendo-o como um "ato de terrorismo".

Mísseis e drones russos tiveram como alvo cidades em toda a Ucrânia, mais de uma dezena de localidades, de este a oeste do país.

Durante a manhã de segunda-feira, mais de uma dúzia de explosões foram ouvidas em Kiev. Muitos dos bombardeamentos atingiram o centro da capital do país.

Estes ataques são os primeiros a atingir Kiev com mísseis, desde 26 de Junho.

Denys Shmyhal, primeiro-ministro da Ucrânia, disse que várias infraestruturas estratégicas em oito regiões e na capital, ficaram danificadas pelos ataques russos.

De acordo com o Comandante-Chefe das Forças Armadas Ucranianas, Valerii Zaluzhnyi, até às 11 da manhã, hora local, a Rússia disparou 75 mísseis contra a Ucrânia, dos quais 41 foram abatidos pelas defesas anti-aéreas.

De acordo com a mais recente atualização do Ministério da Defesa do Reino Unido, os ataques surgem no seio de "pressões sobre as forças russas" nas regiões nordeste e sul,

O Reino Unido acrescenta ainda que Moscovo tem dado "alta prioridade" às operações perto da cidade de Bakhmut, no leste da Ucrânia, e que, na última semana, as tropas russas avançaram 2 km, em dois eixos, em direção à cidade 

Os esforços contínuos da Rússia para progredir estão a desgastar a ofensiva no Donbass, já sob ameaça nos flancos. A atual situação militar do exército russo demonstra não só a importância de alcançar o sucesso operacional, mas também como a inflexibilidade das operações tem minado os planos de Moscovo até agora.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia aposta na indústria de defesa nacional enquanto aguarda por mais munições dos aliados

Kiev volta a estar debaixo de fogo: ataque russo com mísseis hipersónicos faz pelo menos 7 feridos

Secretário da Defesa dos EUA diz que NATO será arrastada para a guerra se Ucrânia perder