EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trabalhadores de refinarias juntam-se aos protestos antigoverno

AP
AP Direitos de autor Hawre Khalid/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Hawre Khalid/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É o alargar das manifestações ao setor chave da economia do país

PUBLICIDADE

Centenas de estudantes de uma universidade do Irão protestaram contra o governo, esta segunda-feira. Os jovens juntaram-se aos protestos que duram há quatro semanas e que já provocaram a morte a 180 pessoas, em confrontos com a polícia.

A revolta contra o executivo começou depois de Mahsa Amini, uma iraniana de 22 anos de origem curda, morrer, às mãos da polícia, por não estar a cumprir o rígido código de vestuário da república islâmica.

Mulheres e homens têm saído à rua para protestar. E agora, também os trabalhadores de duas refinarias decidiram entrar na onde de protestos. Os funcionários da Empresa Abadan e da petrolífera Kangan entraram em greve esta segunda-feira.

É um alargar das manifestações antigoverno aos setores mais críticos da economia do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Irão publica alegadas confissões de espionagem de dois franceses

Europa e Estados Unidos criticados pela passividade quanto ao Irão

Ali Khamenei acusa EUA e Israel de planearem a revolta no Irão