Demissão de Truss abre a porta a nova luta no seio dos Conservadores

Access to the comments Comentários
De  euronews
Primeira-ministra britânica, Liz Truss, apresenta a demissão
Primeira-ministra britânica, Liz Truss, apresenta a demissão   -   Direitos de autor  AFP TV

Após várias semanas de turbulência na sequência da apresentação de um mini-orçamento, a primeira-ministra britânica, Liz Truss, apresentou esta quinta-feira a demissão.

Truss justificou a decisão afirmando não ter condições para cumprir o mandato.

"Atendendo à situação, não posso cumprir o mandato para o qual fui eleita pelo Partido Conservador.
Por conseguinte, falei com Sua Majestade o Rei para o notificar que me demito do Partido Conservador".

Fica assim aberta a porta para uma nova corrida à liderança dos Conservadores. 

O presidente do Comité 1922 do Partido Conservador afirma que até ao final da próxima semana o país terá um novo primeiro-ministro.

"Será possível realizar uma votação e concluir a eleição para a liderança até sexta-feira, 28 de Outubro. Deveremos, por isso, ter um novo líder em funções antes da apresentação do pacote fiscal, a 31 de Outubro", anunciou Graham Brady, Presidente do Comité 1922 do Partido Conservador.

Entre os possíveis candidatos fala-se do regresso de Boris Johnson

O líder da oposição contudo insiste na realização de eleições antecipadas.

"Não podemos ter outra experiência no topo do partido Conservador. Existe uma alternativa e esse é um governo trabalhista estável. E o público tem direito a dar uma opinião. E é por isso que deve haver uma eleição geral", afirma Keir Starmer, líder do Partido Trabalhista da oposição do Reino Unido

A passagem de Truss pelo governo caracterizou-se pelo afastamento do ministro das finanças Kwasi Kwarteng na sequência da apresentação de uma reforma fiscal

A última gota teria sido a demissão da ministra do Interior, Suella Braverman, na quarta-feira seguida de cenas caóticas no interior do Parlamento.