EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Repressão policial faz 60 mortos no Chade

Registaram-se manifestações e protestos na capital do Chade, N'Djamena
Registaram-se manifestações e protestos na capital do Chade, N'Djamena Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo menos 60 pessoas foram mortas pelas forças de segurança que abriram fogo contra os manifestantes, reprimindo desta forma a onda de protestos.

PUBLICIDADE

Uma relativa calma voltou esta sexta-feira à capital do Chade, N'Djamena, depois de violentos protestos na quinta-feira, contra o Governo de transição liderado pelo primeiro-ministro Saleh Kebzabo.

Pelo menos 60 pessoas foram mortas pelas forças de segurança que abriram fogo contra os manifestantes, reprimindo desta forma a onda de protestos.

Mais de três centenas de pessoas ficaram feridas.

Registaram-se manifestações e protestos em várias cidades deste país africano.

As autoridades impuseram um recolher obrigatório, após a violência, entre as 18h e as seis horas da manhã.

A repressão policial foi fortemente condenada pela comunidade internacional, incluindo a União Europeia, a União Africana, Estados Unidos da América e as Nações Unidas.

"Pedimos às autoridades que garantam que a segurança e os Direitos Humanos de todos os chadianos, incluindo o direito à liberdade de expressão, reunião pacífica e associação, sejam respeitados. Também pedimos a todas as partes que se abstenham de violência ou uso excessivo de força e permaneçam comprometidas com o espírito de diálogo no interesse da paz e da estabilidade no país", sublinhou o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.

Os protestos ocorreram no dia previsto para o término da transição, que começou há 18 meses após a morte do presidente Idriss Déby durante combates entre grupos rebeldes e o Exército em abril de 2021.

Desde então, o Chade é liderado por uma junta militar chefiada por Mahamat Idriss Déby Itno, o filho do ex-presidente, que anulou a constituição e dissolveu o governo e o Parlamento.

As manifestações foram convocadas, no início da semana, pela plataforma de oposição Wakit Tamma e pelo partido Les Transformateurs, liderado por Success Masra, um dos principais opositores políticos de Déby.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conversações de paz no Chade

Morreu antigo presidente do Chade Hissène Habré

Macron visita o Chade e encontra-se com soldados franceses